quinta-feira, fevereiro 15, 2007

QUESTÕES DE IMAGEM

A imagem que Portugal projecta no estrangeiro não é real e também não é verdadeira. Este facto é perfeitamente perceptível para quem trabalha directamente com os turistas que nos visitam.
Na generalidade, os estrangeiros da classe média e média alta dos países desenvolvidos, admiram a qualidade do nosso Património, o jeito afável como estamos disponíveis para os ajudar, a nossa gastronomia, a segurança, e a paz e beleza paisagística do interior do país. Quando lhes perguntamos que imagem faziam antes de se deslocarem a Portugal, invariavelmente afirmam que esperavam ver um país mais pobre e atrasado, um povo mas triste e muita gente vestida de negro, preços mais baixos e um interior agrícola por contraponto dum litoral ancorado no produto Sol e praia.
Com alguma facilidade ficamos a saber que essa imagem é construída pela divulgação turística a que acederam via publicidade dos agentes de viagens dos seus países e a consulta apressada de alguns guias turísticos escritos disponíveis na sua terra. Também já é mais frequente virem a conselho de amigos ou familiares que lhes indicam pistas sobre coisas que não constam de nenhum roteiro turístico ou brochura promocional.
Quero com isto dizer que não temos sabido projectar uma imagem do país real que agrada a pessoas da classe média europeia, norte americana e canadiana, baseando a promoção turística nos batidos produtos sol e praia, pouco competitivos internacionalmente. No fado, vinho, touradas e galos de Barcelos como há 30 anos atrás e sobretudo num país pouco desenvolvido sempre à espera de ajudas de Bruxelas para se desenvolver. No outro extremo da promoção temos o golfe, o jogo e a diversão nocturna que não é um mercado fácil e onde a concorrência depende muito do que lhe está associado ao mesmo nível noutros destinos, que é a alta costura, as jóias de marca e os grandes centros cosmopolitas como Londres e Paris.
Aos publicitários e promotores turísticos aconselho que visionem os álbuns de imagens de viajantes na Net, para poderem ter uma ideia do que realmente lhes desperta o interesse e comentários de agrado.
*** * ***
FOTO

*** * ***

CARTOON




*** * ***
CURIOSIDADES EM FOTO


O espreita


Pose de Estado

3 comentários:

Manuel Fernandes disse...

Há quem aproveite os milhões da promoção turística para ficar por aí em bons hotéis, comer em bons restaurantes e ver uns espectáculos, "em trabalho" evidentemente, depois íam escrever sobre quê? O interior de boas paisagens mas sem mordomias e sem restaurantes finos, ou sobre as belezas das casas rústicas onde ainda há currais por perto?
Não se esqueça que esta tarefa está entregue a especialistas, esses não se contentam com pouco!

Anónimo disse...

A nossa imagem no exterior é péssima, veja-se só o caso duma analista do The Economist, e uns especialistas da OCDE que dizem que é difícil despedir trabalhadores em Portugal: não sei em que é que se baseiam, se em informações dos nossos empresários, se em dados fornecidos pelo governo...
Não diríam barbaridades deste teor se lessem os jornais nacionais onde todas as semanas se constata a facilidade com que encerram, por cá, empresas deixando o pessoal com as mãos a abanar e a facilidade com que escapam às suas responsabilidades fiscais e sociais.

CORCUNDA disse...

Tiro o chapéu ao Manuel Fernandes e ao anónimo e gostaria ainda de acrescentar que pelo caminho que levamos muito brevemente apenas serviremos como estância balnear aos turistas do norte europeu e da América, pois a este ritmo a única coisa que nacionalmente "produziremos" será o Sol, e esse como sabemos não depende dos catálogos turísticos...
Abraço.