sábado, dezembro 08, 2018

COMENTADORES E PALERMAS


Todos conhecemos uns quantos comentadores, com espaço na comunicação social (rádio, jornais, e televisões) que destilam ódio pelos funcionários públicos, e que demonstram ser tão cegos, que dizem disparates que não são admissíveis.

O comentador João Miguel Tavares, o ministro dos motins, não se limitou a disparatar quanto à greve dos guardas prisionais, como a dizer que também ele incendiaria baldes do lixo se estivesse preso. 

Depois disso só faltava mesmo mostrar a dúvida se “os funcionários públicos devem poder fazer greve?”.

Os argumentos utilizados são tão patéticos, que até doem. No caso dos guardas prisionais recorreu a dados estatísticos, para basear as suas críticas, mostrando a profundidade do seu raciocínio, e depois, no caso dos funcionários públicos recorre aos exemplos do Luxemburgo e da Polónia, que ele deve conhecer em profundidade.

Para terminar, porque o senhor comentador faz jus ao título de palerma, porque fala de privilégios únicos dos funcionários públicos, só me resta lamentar a sua obsessão, que só tem rival no seu colega de profissão, Miguel Sousa Tavares.



quinta-feira, dezembro 06, 2018

FOLHAS

A natureza é o único livro que oferece um conteúdo valioso em todas as suas folhas. 

Goethe

terça-feira, dezembro 04, 2018

AS LEIS, OS ELEITORES, E OS ELEITOS


O problema das falsas presenças de deputados está a ser um embaraço para todos os partidos políticos, que teimam em fazer notar que a Constituição faz uma distinção clara entre os eleitores e os titulares de órgãos de soberania.


O que é público é que alguns deputados caíram na esparrela de terem presenças marcadas em dias em que estavam fora do hemiciclo, por uma ou outra razão. Não dá para perceber o rebuço dos senhores deputados dos diversos partidos em condenar os faltosos, que não sendo “delinquentes”, são desonestos.


Os eleitores “exigem” que os eleitos sejam, no mínimo, honestos, e uma vez que isso não acontece, e que os faltosos apanhados pela comunicação (ou por denúncias) não se demitiram como seria de esperar, as sanções deveriam ser agravadas relativamente às que atingem os trabalhadores.


O estatuto de servidores dum órgão de soberania, uma vez que são escolhidos por escrutínio directo, não lhes dá o poder de arvorar em privilegiados quando não cumprem os seus deveres. 


domingo, dezembro 02, 2018

O MUSEU DOS COCHES

Duas imagens do antigo Museu dos Coches, sendo que a mais antiga data de 1953 e a mais actual da década de 90 do século passado. Na actualidade este edifício tem apenas uma pequena parte da colecção, embora mantenha a beleza que sempre o caracterizou.





 
O Museu dos Coches foi criado em 1905, e esteve instalado no antigo Picadeiro Real até 2015, altura em que parte ca colecção foi transferida para o novo edifício, situado do outro lado da rua.