terça-feira, maio 08, 2007

A DITA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

A avaliação na Administração Pública foi uma bandeira deste governo, que aproveitou a resistência dos funcionários públicos e dos seus sindicatos para capitalizar apoios junto dos cidadãos que estão no sector privado. Este aproveitamento, por vezes escandaloso, não retira uma gota da legitimidade da desconfiança por parte dos funcionários em relação à metodologia e à eficácia desta medida.
A generalidade dos funcionários públicos será avaliada pelas suas chefias directas, que por sua vez, são avaliadas por chefias nomeadas pelo poder político. Este processo ocorre em simultâneo com a avaliação dos serviços.
Porque é que são então os funcionários tão cépticos acerca deste tipo de avaliação? Serão eles contra a avaliação do mérito, ou terão razões profundas para rejeitar o que lhes está a ser proposto?
Coloquemos um cenário que está presente em quase todas as conversas que tenho com funcionários públicos:
Uma Direcção-Geral apresenta num determinado ano um significativo aumento de actividade, com uma relação muito superior à verificada em despesas de funcionamento. O director-geral é louvado e terá certamente um prémio chorudo, os directores também serão recompensados, embora em menor escala, e os simples funcionários verão atribuídas notas segundo as quotas estabelecidas. Tudo a funcionar na perfeição.
E se a mesma Direcção-Geral apresentar uma actividade anual em linha ou mesmo inferior à do ano anterior, apesar dos aumentos naturais em despesas de funcionamento? Aqui o director-geral não receberá o louvor, não terá eventualmente direito a prémio, irá certamente disparar em todas as direcções, os directores apertados e furiosos darão notas baixas aos seus subordinados, acusando-os de negligência, de falta de empenho e de baixas qualificações.
Será que acham que estou a ser injusto e que estou a fazer meros juízos de valor? Então devo dizer-vos que têm andado desatentos. Muitos serviços desperdiçam verbas, alguns já foram indicados pelas entidades competentes, como maus exemplos de gestão, e já viram quantos altos dirigentes foram responsabilizados e obrigados a repor as verbas mal geridas?
Só para que tenham uma ideia da justiça que advirá deste tipo de avaliação que vai ser implementada, dir-vos-ei que os directores-gerais não vão ser avaliados, e são exactamente quem ocupa o topo da pirâmide dos serviços da Administração Pública. Será que isto não vos diz nada?


*** * ***


CARTOON

*** * ***
COMPOSIÇÃO FOTOGRÁFICA

Helge Rudschinat Grønli

10 comentários:

Sílvia disse...

Um chefe não erra. Aprendi isto com o primeiro encarregado que tive, mas ele acrescentava baixinho, pudera, também não faz nada...
Bjos

Rita disse...

Avaliando a actuação do governo tive dificuldade em encontrar uma nota adequada, será que há pior do que o Não Satisfaz?
Inté

jpg - o sineiro disse...

Como sabemos, os grandes poderosos são avaliados entre si. Elogiam-se entre si e tâm sempre boas notas.

Asinus asinum fricat

Um abraço.

Rodrigo disse...

Oi, achei teu blog pelo google tá bem interessante gostei desse post. Quando der dá uma passada pelo meu blog, é sobre camisetas personalizadas, mostra passo a passo como criar uma camiseta personalizada bem maneira. Até mais.

Meg disse...

Ó Zé Povinho, temos de ter uma conversa de pé de orelha!
Dizes umas coisas...
Apesar dos 250 anos, estás muito
recalcitrante...
Um abraço

Meg disse...

Da Beira vieste, e eu também...
Estou curiosa...

Belzebu disse...

É só mais um assalto aos direitos dos funcionários públicos, enquanto sem qualquer pingo de vergonha, se reforçam as relações obscuras do poder político, com os interesses os boys do costume, autênticos comissários políticos nas instituições!

Saudações infernais!

Laurentina disse...

A dita é só para os soldados rasos ...porque para eles não existe avaliação nenhuma ...podem roubar , matar ,estripar que estão acima de qualquer suspeita ...
Bandalhos !!!
Beijão grande

adrianeites disse...

boa tarde.
obrigado pela visita.

a quastão da avaliação tem sempre o problema dos avaliadores.... a idoneidade e parcialidade desses será discutivel... a abrangência dos avaliados será equacionavel...
de uma coisa não dúvido: temos um mau serviço publico e algo deve ser feito para melhorar...

Zé Povinho disse...

Meu caro Adrianeites
Só lhe posso afirmar uma coisa: qualquer empresa gerida com a lógica predominante na Administração Pública e pelas mesmas pessoas que por lá assentaram arraiais (políticos) não durava sequer o tempo duma legislatura. Penso que assim fui mais claro.
Cumprimentos