terça-feira, março 18, 2008

VITALINO O PROVEDOR

Começo por esclarecer que quando me falam de provedor de qualquer coisa, a primeira imagem que me vem à cabeça é a do Grilo Falante da história do Pinóquio. Não sei se esta analogia tem algo a ver com o simbolismo destas entidades, ou com a consciência de que algo tem de ser moralizado.

Li uma extensa entrevista de Vitalino Canas ao DN, e fiquei a saber que o senhor deputado, por acaso do PS, entre variadíssimas actividades acumula também a de Provedor do Trabalhado Temporário. Atendendo ao título “Há centenas de ilegais no sector”, julguei que algo estava a mudar pela intervenção deste provedor, mas lendo a notícia toda fiquei naturalmente decepcionado já que o próprio acaba por dizer que “é uma instituição da sociedade civil (?), pelo que não tenho poderes de autoridade e de fiscalização”. Afinal nada vai mudar, conclui.

Apesar de estar em funções à pouco tempo (?), desde Julho de 2007, achei que Vitalino Canas é um optimista, já que está a certificar as empresas de trabalho temporário, e espera que estas informem os trabalhadores sobre a existência de um provedor que zelará pelos seus direitos e pelo respeito da lei e que lhes facultem a brochura que publicaram. Confesso que fiquei um pouco confuso ao saber que só cerca de 30 empresas aderiram ao provedor, até porque não consigo distinguir quais é que são de trabalho temporário e quais é que não são, tal a dimensão que o fenómeno (ou será praga?) atingiu neste país.

Este defensor do Trabalhador Temporário afirma ainda “tenho uma visão mais liberal da lei do trabalho”, acrescentando mesmo que uma legislação mais liberal interessa mais aos trabalhadores do que aos grandes empregadores. Mas disse mais, “a minha ideia não é chegarmos ao nível da China ou da Índia, mas chegarmos ao nível dos países mais avançados da Europa”, e quando confrontado sobre o facto de estar a falar da flexigurança, que prevê acesso à educação, formação, saúde e forte protecção social no desemprego, respondeu laconicamente, “claro, concordo”, nada mais.

Fiquei elucidado sobre o papel do senhor Vitalino Canas, enquanto provedor, embora na minha opinião, eu ache muito sinceramente que não o é do Trabalhador Temporário, mas sim do Empregador Oportunista. Claro que a minha opinião não é abalizada, nem conta para nada, mas é a minha!

*** * ***
FOTOGRAFIA
vef

*** * ***

CARTOON

R.J. Matson

Patrick Chappatte

9 comentários:

second_skin disse...

gostei da comparação da figura do provedor, com o grilo falante ;-)

Pata Negra disse...

Antes demais - Tibete! Tibete! Tibete!
Quanto ao trabalho, estes senhores são tão engraçados! Será que querem substituir os sindicatos por provedores, o trabalho temporário por trabalho sol a sol.
Não falo mais! Não posso! Já não suporto o PS
Um abraço a queimar rosas

Sophiamar disse...

O grilo falante...eheheheh

Quanto ao humor, a mesma qualidade de sempre.

Beijinhosssss

MP3 e MP4 disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
elvira carvalho disse...

Pedindo desculpa pela ausência, deixo um abraço e votos de uma Santa e feliz Páscoa.

São disse...

Náusea, é o que tudo isto me provoca!
Se tem consciência de que não resolve nada, para que está no cargo?!
Outra náusea é o cinismo internacional face à China e a sua actuação no Tibete : e vivam os Jogos Olímpicos!!
Gostei muito de o ver regressado!
Feliz Páscoa.

Tiago R. Cardoso disse...

gostei da analise à personagem Vitalino Canas, estamos perante alguém que de facto parece vir da ficção, pena é que não se possa arrumar o livro de contos e nunca mais ler aquelas historias que ele protagoniza.

José Miguel Gomes disse...

Sempre Tibete... Onde está a suposta "intervenção pacifista internacional?"...

Quanto a provedores... Podemos trocá-los por provadores? Sempre faziam algo útil :)

Fica bem,
Miguel

aryanalee disse...

Olá zé
Ainda bem que a ausência foi breve e por motivos divertidos....o trabalho!!!
Voltou em plena forma, pois este post assim o atesta.
Um abraço