domingo, agosto 30, 2015

HÁ MUITA GENTE À RASCA

É cada vez mais difícil para os portugueses conseguir enfrentar os problemas da vida, porque uma doença, um divórcio, ou um acidente automóvel, para citar apenas alguns exemplos, podem tornar incomportáveis compromissos habituais, como o pagamento do empréstimo da casa, ou do carro, porque já não existe margem financeira para emergências.

Fala-se no recurso às ajudas dos avós e de outros familiares de idade avançada, que tem funcionado até agora, mas poucas vezes se pensa se isso é uma situação que se possa esperar daqui a uma dúzia de anos, e é mais do que evidente que tal já não será viável.

O país está melhor, dizem uns quantos iluminados da política, mas será só para eles, que em geral entraram na profissão sem "cheta no bolso", e saem com a "bolsa recheada", residências de luxo, e tachos bem remunerados em empresas que talvez tenham beneficiado da sua passagem pela política.

video

sexta-feira, agosto 28, 2015

O TURISMO E O EMPREGO



O grande aumento das actividades relacionadas com o turismo, que foi uma bandeira deste governo quando fala de emprego, é afinal caso que devia ser bem estudado, porque a qualidade do emprego criado é sobretudo precária.

Nos hotéis, nos restaurantes, em todas as actividades em redor do turismo e da cultura, já se tornou habitual ver, de Maio a Outubro, jovens e menos jovens a desemprenhar as mais diversas funções, auferindo muitas vezes baixos salários e sem quaisquer direitos, porque “a necessidade assim obriga”.

A qualidade do emprego é péssima, a qualidade do serviço ressente-se em muitos casos, e nem a natural simpatia dos portugueses se consegue sobrepor à ganância de boa parte do empresariado.

Compreende-se a sazonalidade de muito deste emprego, mas não se pode tolerar o emprego sem direitos, mas tem sido isso que os últimos governos têm vindo a consentir e incentivar, com a desregulação do mercado de trabalho.



quarta-feira, agosto 26, 2015

POLUIÇÃO POLÍTICA

Não costumo gozar férias em Agosto, mas por força das circunstâncias, fui obrigado a gozar uma semana neste fatídico mês. e por azar tive que me cruzar, com o Fernando Ulrich, com o Relvas e com o Miguel Macedo, num passeio cultural num museu da capital.

É preciso ter mesmo muito azar, porque julguei que esta gente estaria a banhos mais para sul, onde jurei há anos nunca colocar os pés no pino do Verão. Não sei se é pela proximidade das eleições, que estão aqui pela capital, mas que foi uma surpresa ver esta gente num museu, isso foi.


segunda-feira, agosto 24, 2015

SEMEAR VENTOS E COLHER TEMPESTADES

Nas últimas décadas o ocidente, leia-se Europa e os EUA, têm sustentado o seu crescimento não baseados no sector produtivo, produção industrial especificamente, mas sim no controlo da comercialização das matérias-primas, no outsourcing do fabrico de produtos concebidos no ocidente, devido ao baixo preço da mão-de-obra do oriente, e aproveitando-se do poderio militar e da influência política que detém desde a II Guerra Mundial.

Com o tempo tudo muda, e os países asiáticos já conseguem afirmar marcas próprias, a preços mais competitivos, a sua dimensão populacional e os meios de produção imensos começam a ditar as suas regras, na formação de preços e na imposição de tendências, também porque se tornaram grandes mercados.

Do lado dos produtores de matérias-primas, mormente do petróleo, o resultado das políticas do ocidente começam a ver-se, e não são bons para a Europa, que está a enfrentar uma crise de refugiados que já é explosiva, ameaçando mesmo a coesão europeia.


Criou-se o monstro e agora começa a ser cada vez mais difícil lidar co ele, basta ver o que acontece quando o mercado chinês abranda, ou quando os refugiados, aos milhares, se juntam nas fronteiras da Europa em busca dum futuro melhor. 


sexta-feira, agosto 21, 2015

CURIOSIDADE

108º Aniversário da cidade da Beira (Moçambique)

A cidade da Beira, no centro de Moçambique, ganhou o estatuto e o nome por ocasião da visita a Moçambique, do príncipe herdeiro português, de seu nome D. Luiz Filipe, cujo nome completo era Luiz Filipe Maria Carlos Amélio Vítor Manuel António Lourenço Miguel Rafael Gabriel Gonzaga Xavier Francisco de Assis Bento de Bragança Saxe Coburg Gotha e Orléans, que por direito era também Príncipe da Beira, além de ostentar outros títulos.


A viagem deste príncipe, cujo futuro não foi nada risonho, foi acompanhada por Mousinho de Albuquerque, seu aio, decorreu entre 1 de Julho e 27 de Setembro de 1907.

By Palaciano

quarta-feira, agosto 19, 2015

FOTOGRAFIA

"No mesmo instante em que recebemos pedras em nosso caminho, flores estão sendo plantadas mais longe. Quem desiste não as vê."

William Shakespear


terça-feira, agosto 18, 2015

HIPOCRISIA



É sem qualquer surpresa que hoje se ouve o representante dos patrões, António Saraiva, dizer que "sempre temos defendido que mais vale ter um posto de trabalho remunerado com o salário mínimo do que o desemprego".

Claro que todos sabemos que estamos a falar da substituição de trabalhadores por jovens mais mal pagos, e nada mais do que isso.

É confrangedor que os jornalistas que debitam este tipo de notícias, nunca tenham confrontado o representante do patronato com outra hipótese, que era "mais vale ter lucros mais modestos e manter os postos de trabalho, do que explorar miseravelmente os trabalhadores".

Infelizmente a voz dos patrões sobrepõe-se à dos trabalhadores, nesta sociedade mercantilista.


domingo, agosto 16, 2015

PURA VONTADE DE HUMILHAR



Há políticos que tudo fazem para justificar o asco que causam a todos os que sabem respeitar a independência dos povos, sabem respeitar os adversários e toleram a diferença de opiniões.

Schauble é o retrato acabado dum político que se acha o dono da verdade, e que aproveitando-se da posição dominante da Alemanha, a nível económico, não só obriga líderes estrangeiros a submeterem-se à sua vontade, como mostra prazer em humilhar publicamente que se atreva a defrontá-lo, como aconteceu recentemente com os dirigentes gregos.

Todos se devem lembrar do que disse de Varoufakis e, mesmo agora, aproveitou para humilhar o primeiro-ministro grego ao afirmar que “Tsipras deve fazer “o contrário” do que prometeu aos eleitores.

Não sei se este fulano é tão azedo e malévolo por algum complexo, mas lá que parece muito recalcado, isso parece.



quarta-feira, agosto 12, 2015

SOBRE FÉRIAS

Por estes dias há quem tente tirar o máximo dos merecidos dias de descanso, na praia, no campo, a solo ou com companhia, cá dentro ou lá fora. Uns contentam-se com pouco, outros querem tudo, e puxam os cordões à bolsa ou à imaginação.

Eu vou-me contentando com o tradicional passeio à terra dos antepassados, que a minha é demasiado longe, onde na companhia da família, curto a calma do interior, a beleza das paisagens, as tarefas sempre desafiantes da agricultura ou da jardinagem, e sobretudo a boa gastronomia do interior.

Ficam sempre guardados uns dias, os últimos, para uma volta pelos arredores da residência, umas vezes por Sintra, Mafra, ou mesmo pela capital.


A companhia da máquina fotográfica costuma ser uma constante nas férias, contudo este ano, por comodismo, boa parte das fotografias foram tiradas com o telemóvel, pois era mais fácil de transportar.

Árvore no Jardim

Vista do Miradouro

segunda-feira, agosto 10, 2015

AGIOTAGEM ALEMÃ



Apesar de todos os protestos dos liberais europeus e dos economistas mais dogmáticos, a realidade acaba quase sempre por vir à tona, e por isso soube-se agora, por fonte insuspeita (Instituto Leibniz), que a «Alemanha ganhou mais de 100 mil milhões de euros com a crise grega».

Para os adeptos da ortodoxia económica alemã, trata-se apenas do justo lucro pela “ajuda” prestada a quem estava em dificuldades, mas na realidade isto ultrapassa em muito a “assistência” a um país da mesma zona monetária, e é claramente um acto (mais do que um até) de pura agiotagem.

Outra conclusão reveladora deste estudo diz que as poupanças alemãs com esta situação dos mercados nos últimos tempos, trouxeram poupanças à Alemanha que «excedem os custos da crise, mesmo se a Grécia não pagasse todas as suas dívidas».

O sofrimento dos povos dos países intervencionados, independentemente de outras considerações, foram muito benéficos para os países que prestaram a dita ajuda, especialmente para a Alemanha que foi quem mais lucrou com a instabilidade e fraqueza dos outros.



domingo, agosto 09, 2015

POESIA DE VERÃO



No Entardecer dos Dias de Verão

No entardecer dos dias de Verão, às vezes,
Ainda que não haja brisa nenhuma, parece
Que passa, um momento, uma leve brisa...
Mas as árvores permanecem imóveis
Em todas as folhas das suas folhas
E os nossos sentidos tiveram uma ilusão,
Tiveram a ilusão do que lhes agradaria...
Ah, os sentidos, os doentes que vêem e ouvem!
Fôssemos nós como devíamos ser
E não haveria em nós necessidade de ilusão ...
Bastar-nos-ia sentir com clareza e vida
E nem repararmos para que há sentidos ...
Mas graças a Deus que há imperfeição no Mundo
Porque a imperfeição é uma cousa,
E haver gente que erra é original,
E haver gente doente torna o Mundo engraçado.
Se não houvesse imperfeição, havia uma cousa a menos,
E deve haver muita cousa
Para termos muito que ver e ouvir ...

Alberto Caeiro


Na estrada foto da internet