sábado, novembro 10, 2007

AUMENTOS E INFLAÇÃO

O governo simulou uma negociação dos salários da Administração Pública, onde acabou por impor aumentos de 2,1%, ao mesmo tempo que afirmava que nenhum funcionário iria perder poder de compra. Este pressuposto baseava-se nos cálculos de inflação prevista de 2,1% para o próximo ano.
Os cálculos da inflação falharam nos últimos anos e acresce a isso, o facto de esse exercício de cálculo não poder ser aplicado a cada família por igual, como pretendem alguns teóricos. Há imensas variáveis a considerar no que se consideram gastos essenciais pelo que o valor só pode considerar-se um elemento de ponderação.
A Comissão Europeia, para só mencionar um organismo, apresenta um valor superior para a inflação, mas não está sozinha nesta ponderação. Assim sendo, como encarar esta imposição do governo, de 2,1% de aumentos?
Uma vergonha, meus amigos. Em primeiro lugar porque são aumentos tanto mais miseráveis quanto menos se ganhe. Com um salário inferior a 1.000 euros o aumento será sempre inferior a 20 euros, e nesta faixa está a esmagadora maioria dos funcionários públicos.
Em segundo lugar, o aumento de 0,08 euros no subsídio de alimentação só pode ser explicado como uma provocação, porque 4,03 euros + 0,08 euros perfazem a extraordinária quantia de 4,11 euros. Um verdadeiro insulto à inteligência do pessoal.
Realismo diz o senhor ministro, vergonhoso, digo eu.
*** * ***
Vergonhoso: professores das AEC não recebem

As Actividades de Enriquecimento Curricular (AEC), há quem as designe de Actividades de Empobrecimento Curricular, nasceram algo tortas e, como diz a sábia voz do povo, «aquilo que nasce torto, tarde ou mal se endireita». Não querendo tomar a parte pelo todo, não me atrevo, para já, a juntar-me ao exército, que tem visto as suas fileiras engrossarem, daqueles que diabolizam as AEC. Apesar de não ser novidade para ninguém que me conheça que não concordo com o modelo adoptado nem com os objectivos (se é que estes existem) que estas se propões alcançar. Todavia, posso afirmar, convictamente, que este modelo contribui para o empobrecimento dos professores envolvidos no projecto.A trabalharem desde Setembro sem receberem um cêntimo pelos seus serviços é absolutamente inaceitável. Não esqueçamos que estes profissionais trabalham a «Recibo Verde», portanto há uma boa parte do ano em que não recebem coisa alguma. Isto já é preocupante. Pensar que estas pessoas desde Julho que não auferem qualquer vencimento suscita-me algumas questões: Quem paga a renda / prestação da casa? Quem paga a alimentação? Quem paga a água, a luz, o telefone? Como é que se vive assim? Não esqueçamos que muitos têm que se deslocar em transporte próprio para a (s) escola (s) onde leccionam. Não sei se esta situação se está a passar em todo o país. Em Viseu esta é uma realidade dramática. Parece que os vencimentos estão a ser processados…estavam…estarão…Ninguém sabe ao certo.O que sei é que há gente a vivenciar situações dramáticas. Um amigo disse-me que não sabe se o dinheiro que ainda lhe resta será suficiente para o combustível que lhe permita deslocar-se às várias escolas em que trabalha. Aqui está outra aberração: contratam imensa gente e depois atribuem apenas 12 horas a cada professor, horas distribuídas por distintos locais, obrigando a várias deslocações diárias. Se não expusesse esta situação vergonhosa e lamentável hoje, tenho a sensação de que nem dormiria em paz. Outros há que estão, dado o adiantado da hora, tranquilamente a sonhar com a cabeça na almofada. Enquanto isso, muitos fazem das tripas o coração, encetando majestosos malabarismos, para fazerem face às necessidades básicas do quotidiano. Que vergonha!!!
*** * ***
FOTOS - BELEZA
gors

MAYOR

*** * ***

CARTOON

Patrick Chappatte

Sandy Huffaker

12 comentários:

João Rato disse...

E dito isto, faz-se o quê?

Zé Povinho disse...

Aceitam-se sugestões, porque eu sustento há muito o voto em branco como único método de manifestar o descontentamento com a classe política, toda ela. Greves, só se forem a sério e de pelo menos três ou quatro dias.
Abraço do Zé

Joca disse...

É simples, é só fazer as contas...
A preocupação é apenas com a injustiça do general Eanes que não pode acumular as suas reformas, já o Zé é carta fora do baralho.
Lol

quintarantino disse...

Eu já ando atrapalhado... não sei se me caberão as notas do aumento na carteira... e ao almoço, definitivamente, passarei a "Pêra Manca" e lagosta suada!

J. P.G. disse...

Eu cá acho que o aumento é a cara chapada deles!

Olha, bonitos são os bichos desta posta!

Abraço.

Laurentina disse...

Surrial pura e simplesmente.
E quem ainda achar que lhes deve dar uma segunda oportunidade deve ser imediatamente internado por demencia agressiva e perigosa,num diagonóstico superficial


VOTO EM BRANCO ZÉ?!... MAS É LÓGICO , NEM SEQUER É QUESTIONÁVEL.

bom fim de semana
beijão grande

Laurentina disse...

Ai Zé esquecia-me de referênciar a questão das greves...
enquanto os sindicatos não forem sindicatos a serio , enquanto os sindicatos não deixarem de se preocupar com os seus "tachos", com os reinados dos seus secretarios gerais etc,.. quando as quotas dos seus sindicalizados passarem realmente a verter para um fundo de reserva a fim de precaver a situação dos grevistas e essa passar a ser de "verdade" de 3, 4, 1 semana.Aí sim os sindicatos e as greves passarão a ter credibilidade.
Até lá quem paga é o "zé" a sua propria greve e não surte efeito ...

Disse.

Bejão

AnarKa disse...

Acho que aquele senhor do Paquistão tem clones por estas bandas.
Lol

Sul disse...

«sustento há muito o voto em branco como único método de manifestar o descontentamento com a classe política, toda ela. Greves, só se forem a sério e de pelo menos três ou quatro dias.»

Assino por baixo!

Bjs

Sul

O Guardião disse...

Por falar em subsídio de alimentação, e dos tais 8 cêntimos, seria curioso que alguém se detivesse a analisar as benesses dos senhores políticos no que toca a refeições e os preços praticados na casa da democracia, versus custos.
Cumps

SILÊNCIO CULPADO disse...

O voto em branco será também a minha opção. É um voto validamente expresso.

SILÊNCIO CULPADO disse...

É importante a onda de solidariedade dos blogues em volta do caso denunciado por José Carreira. Outras situações têm sido detectadas. Deverá ser feito um balanço dos blogues aderentes e das situações relatadas para que se tenha uma ideia do que se está a falar. Porém, através do Cegueira Lusa e um pouco do Silêncio Culpado, verifica-se que houve uma adesão significativa em termos quantitativos e qualitativos. É um princípio Zé Povinho!