quinta-feira, outubro 18, 2007

TODOS DIFERENTES, TODOS IGUAIS


*** * ***


Acabei de ouvir este tema interpretado por Francisco Fanhais

PORQUE


Porque os outros se mascaram mas tu não

Porque os outros usam a virtude

Para comprar o que não tem perdão

Porque os outros têm medo mas tu não



Porque os outros são os túmulos caiados

Onde germina calada a podridão.

Porque os outros se calam mas tu não.



Porque os outros se compram e se vendem

E os seus gestos dão sempre dividendo.

Porque os outros são hábeis mas tu não.



Porque os outros vão à sombra dos abrigos

E tu vais de mãos dadas com os perigos.

Porque os outros calculam mas tu não.

Sophia de Mello Breyner

*** * ***
FOTOS - PALHAÇOS

evil clown by ElBorbah

Orangutan by minouz

Chimp Clown by ThreeProngs

*** * ***

CARTOON

Patrick O'Connor

11 comentários:

C Valente disse...

Palhaço o verdadeiro é digno de admiração
Cada vez mais o palhaço classico vai desaparecendo
saudações amigas

Sílvia disse...

Elucida-me Zé, qual é o da rosa e qual o da laranja, que eu também não vejo diferenças.
Os palhaços estão uma beleza.
Bjos

Tiago R Cardoso disse...

nunca tinha reparado que eram tão diferente... politica portuguesa.

Rita disse...

Farinha do mesmo saco. Já nem me lembrava do padre F. Fanhais nem desta música de finais dos anos 60, muito menos do poema da Sophia.
Magistral a escolha dos animais palhaços e a música...
Já voltei, depois do afastamento forçado.
Bjos

quintarantino disse...

Caro amigo Zé Povinho, não tem nada a ver, mas penso que desculpará o atrevimento de depositar aqui as palavras que hoje deixo em comentário lá no recanto a todos os que se dão à maçada de ler e comentar o NOTAS:

Eu, brincando com o pseudónimo que resolvi adoptar, estou "atarantinado".

Comecei, indeciso, com este projecto pelo mero gozo da escrita. E porque tenho um ou outro "bichinho" a roer aqui dentro.

Circunstâncias várias levaram a que só neste meio de comunicação pudesse dar azo à veia da escrita.

Adoptei uma linha de rumo e avancei decidido. Procurando ser equidistante nas análises, mas não me inibindo de as dar.

Umas das críticas mais recorrentes que me têm feito (pelos mais variados meios) é a de que valorizo e destaco essencialmente o que de mau se faz. Especialmente na política.

Costumo responder a brincar que para destacar o bom (que também o há) os políticos têm os assessores.
Não precisam da minha ajuda.
Aliás, já por lá passei e por isso sinto-me relativamente à vontade para o dizer.

Em Agosto tive a primeira prova de que a blogosfera também é um espaço de amizade e solidariedade dado que, na minha ausência em férias, contei com a prestimosa ajuda e colaboração do Tiago R. Cardoso para me assegurar o expediente.

Recentemente, consegui convecê-lo a juntar-se a este projecto.
Almejei ainda unir a minha voz à da Silêncio Culpado.
Foi um enorme passo em frente que se deu neste projecto.

Vieram, os novos autores, enriquecer as perspectivas, as formas de escrita, de temas e de análise.
Provou-se, mais uma vez, que aqui se está mesmo ante um espaço de liberdade. De opinião, essencialmente.

Ontem atingiu-se, até ao momento presente, o ponto mais alto de participações efectivas neste blogue.

Registo esse facto com apreço. Aghradeço a cada um dos que cá vieram que o tenham feito.
Mas muito particularmente que tenham comentado.

Porque é para isso que escrevemos. Para que as pessoas reajam. Se ergam, se sintam motivadas a escrever, a dizer que sim e que não, porque entendem que deve ser desta forma e não daquela.

Não sei se iremos conseguir manter o nível maciço (pelo menos para este blogue) de comentários, mas gostaria que tal acontecesse.
Porque só assim saberemos que estamos a mexer com as consciências.

E que, apesar de tudo, as pessoas sentem que a sua opinião pode marcar a diferença. E que também a política pela política pode ser uma forma de estar, uma arte nobre, pois devia ser através dela que se edificaria um mundo melhor.

Obrigado a todos e voltem sempre. Mas, àqueles que ainda não se atreveram a comentar, aqui façam-no.
Como puderam ver ontem, aqui são todos bem recebidos.
Mesmo aqueles que venham com cantigas de escárnio e mal-dizer.
É que, para esses, e apenas me recordo de um tal Machado, há sempre resposta à altura.

C Valente disse...

PSD = PS , todos diferentes todos iguais ás caras é que mudam a politica é a mesma, um ou outro venha o diabo e escolha de facto
saudações amigas

ruy disse...

Interessantes imagens. Parabens.

J.G. disse...

Belíssimo poema, mais um, da eterna Sophia.

Gostei imenso dos bonecos da política.
Dos outros, mascarando os bichos, não consigo achar graça.

Um abraço.

adrianeites disse...

Diferentes mas efectivamente muito parecidos... sem dúvida...

ANTONIO DELGADO disse...

Belo poema e excelentes fotos,
mas gosto mais de palhaços verdadeiros.

Um abraço
António

Odysseus disse...

Falta a foto do Bush!