quinta-feira, dezembro 08, 2011

DIFERENÇAS NO DISCURSO

A caminho de mais uma cimeira europeia, penso que a oitava deste ano, Passos Coelho disse que Portugal tem de “ter flexibilidade e mostrar abertura para ver todas as propostas” que forem apresentadas, apesar de já se saber que o que está sobre a mesa é a proposta da senhora Merkel e do senhor Sarkozy.

O 1º ministro inglês, Cameron, por sua vez, veio dizer que não irá dar o seu apoio a nenhuma proposta que não favoreça os interesses do Reino Unido, e que se baterá por salvaguardas que protejam os seus interesses.

As diferenças são bem claras, enquanto David Cameron coloca os interesses do Reino Unido em 1º lugar, Passos Coelho está mais preocupado em ficar bem com a dupla Merkel/Sarkozy, mostrando toda a flexibilidade para lhes agradar, sem nunca mencionar os interesses nacionais, que deviam ser a sua grande prioridade.

Não me consta que seja necessária tanta submissão para defender os interesses nacionais, nem penso que a atitude certa seja a de deixar nas mãos de outrem os nossos destinos enquanto nação, mas isso sou eu a dizer…

CARTOON

5 comentários:

São disse...

Cameron é inteligente, Coelho nem por isso!

Um abraço

Anónimo disse...

O cartoon mostra muito bem o que Passos Coelho diz quando discursa sobre esta matéria.
Bjos da Sílvia

Arame Farpado disse...

Zé, lá estás tu a cair no erro de pensar que Passos Coelho foi eleito para proteger o interesse nacional.
Deixa-te disso...
Um abraço!

Miguel Loureiro disse...

Pois é, mas vão dizer que nós devemos, como se a Inglaterra não. Mas ainda anteontem Cameron disse que entre o que recebem de impostos e o que gastam faltam por ano 16 mil milhões de euros...
Talvez se pense que defender os interesses nacionais (não ser prejudicado no negócio) seja nacionalismo, o que é feio...
Vou fazer link.

Pata Negra disse...

Não! Um povo tão grande não se representa por um boneco vestido com um fato de marca! Isto ainda não é a euromanha ou como é que se chama essa merkel de território que nos querem vender!
Quando há abertura duas coisas podem acontecer: feder ou merkel!
Um abraço aberto para outros caminhos que nos hão-de acontecer e feder