sábado, julho 22, 2017

IMAGENS

Uma limpeza às imagens do telemóvel, fez-me  trazer aqui duas fotografias que apesar da sua (má) qualidade, me fizeram querer voltar ao local onde foram tiradas...


quinta-feira, julho 20, 2017

A PASSAROLA VOADORA



Um dos assuntos relativos às experiências de Gusmão que maior curiosidade tem despertado é o de conhecer o feitio que teria a sua Passarola. Infelizmente nada sabemos de certeza embora existam desenhos da época que foram divulgados como representação da máquina voadora.
 
O desenho mais antigo que se conhece é de Maio de 1709, isto é, anterior de três meses à data das experiências de Lisboa, e faz parte dum folheto publicado em Viena de Áustria! A partir dessa data aparece o mesmo desenho reproduzido noutras publicações, com algumas diferenças de pormenor.

A fantasiosa estampa (ver fig.) foi imaginada pelo próprio Bartolomeu de Gusmão que desse modo infeliz se quis divertir com a ansiosa expectativa dos lisboetas nas vésperas das anunciadas experiências. Fingiu o inventor que perdera o desenho da sua máquina, deixando-o cair do bolso em qualquer lugar público. Este desenho, ou sua cópia, depressa seria conhecido na Áustria por intermédio da correspondência da rainha [a esposa de D. João V era austríaca].

In História dos Balões de Rómulo de Carvalho



terça-feira, julho 18, 2017

MUSEUS E FALTA DE PESSOAL



Muito tem sido dito sobre este assunto, recentemente por causa do Museu nacional de Arte Antiga, mas pouco se tem feito e por parte da tutela poucas explicações se têm ouvido.

Todos perceberam já que a não admissão de pessoal suficiente para manter a abertura dos museus, palácios e monumentos em condições de segurança, se deve a políticas restritivas e de contenção de despesas, mas o problema não fica por apenas por aí.

Os processos de admissão são complexos e demorados, e têm sempre que passar na tutela das tutelas, o Ministério das Finanças, que se rege por números e não pelas necessidades comunicadas pelos serviços, como se sabe.

Os problemas não se resumem apenas às verbas e às autorizações das Finanças, mas também à organização e às carreiras, que terão sido “simplificadas”, reduzindo-se na Cultura (e boa parte dos ministérios) a apenas 3 categorias: técnicos superiores, assistentes técnicos e assistentes operacionais.

Ao contrário do que se possa inferir pela informação do sítio do MNAA (constante na imagem abaixo), não existem vigilantes/recepcionistas, mas sim assistentes técnicos que desempenham funções na vigilância, bilheteiras e lojas. Os profissionais que desempenham estas funções têm exactamente a mesma categoria profissional dos que trabalham nas secretarias de todos os serviços, de outros que trabalham na DGPC, no MC, e em outros ministérios, admitidos com as mesmas exigências e salários, mas são obrigados a trabalhar com um horário excepcionado (sábados, domingos e feriados), sem qualquer benefício que os distinga dos seus pares.

Assim se explicam dificuldades de recrutamento, de fixação de profissionais e também o descontentamento geral, de quem tem obrigações acrescidas, que não têm qualquer compensação que equilibre essa disponibilidade.

Era da mais elementar justiça colocar estes profissionais numa carreira específica, reconhecendo-lhes direitos correspondentes às obrigações…



domingo, julho 16, 2017

EXPLORAÇÃO E FALTA DE VERGONHA



Não gosto de generalizar, porque é perigoso, mas existem patrões que são uns verdadeiros exploradores, e isto aplica-se a patrões portugueses e estrangeiros, que apenas podem ser colocados na ordem com legislação e fiscalização por parte do Estado português.

Com o Estado a dar muito mau exemplo, assistimos a abusos por parte de patrões sem escrúpulos, que até nem se eximem de o manifestar em público, porque as leis laborais lhes são favoráveis e os governos não têm coragem para as mudar, protegendo os mais fracos numa relação laboral, os trabalhadores.

Estou-me a recordar dum patrão que entrou há pouco tempo na nossa praça, e que está a reforçar a sua presença em Portugal, que não teve nenhum rebuço em afirmar: “Eu não gosto de pagar salários. Pago o mínimo que puder.”

O pensamento liberal do anterior governo e a paralisia do actual, fazem com que a balança nas relações laborais esteja sempre a colocar o patronato em posição dominante, quando devia ser o Estado a equilibrar as posições.


sexta-feira, julho 14, 2017

SITEMA DE SEGURANÇA MODERNAÇO

Para o visitante típico de museus, palácios e monumentos, a segurança do Património exposto nestes locais é da inteira responsabilidade dos vigilantes que encontram enquanto os visitam.

Infelizmente estão ligeiramente equivocados, primeiro porque estes têm poucos instrumentos legais para actuar, para além da admoestação firme mas cortez, e estão sempre limitados pelo número de salas a seu cargo, pela consciência cívica dos visitantes, e pelas condições expositivas, que não são da sua responsabilidade, claro.

Deixo-vos aqui um tesourinho da segurança museológica, composto por fio de pesca amarrado às peças, que já não via desde os anos 60 num monumento nacional. Estas peças. e outras também atadas a fio de pesca, estão a menos de um metro de distância das cordas delimitadoras, o que diz tudo... 
1