sábado, janeiro 23, 2010

HIPOCRISIA E OPORTUNISMO

Numa altura de crise e muito desemprego não será muito popular lutar por aumentos salariais por mais justa que seja a reivindicação. É isto que se passa com o funcionalismo público deste país que nos últimos 10 anos perdeu poder de compra em 9 anos consecutivos.

Mas o que mais intriga qualquer ser pensante são as afirmações de representantes do patronato que vêm dizer que “não há condições para aumentos na função pública”. Um tal senhor, de seu nome António Mendonça, na qualidade de presidente da CIP, ao mesmo tempo que reclamava “estímulos” às actividades económicas, ou seja mais investimento público, defendia o congelamento de salários dos funcionários públicos.

Não conheço o senhor António Mendonça nem é necessário. Antes dele já existia um outro presidente da CIP, e tal como agora culpava os funcionários do Estado dos males da economia e das dificuldades do sector privado, pedia contenção nas despesas públicas, exigia menos contribuições para o erário público, menos descontos para a segurança social, mais subsídios estatais, mais empréstimos a juro irrisório, e mesmo assim todos vimos como o desemprego subiu mais do que nos nossos parceiros económicos. Das falências e das fraudes conhecidas no sistema bancário nem falo porque afinal são tudo “bons rapazes” afinal estamos a falar da iniciativa privada, não é?

Senhor António Mendonça, não meta a foice em seara alheia, ponha antes os olhos no seu quintal e veja se deixa de estar sempre dependente das ajudas do Estado, que nos últimos anos têm sido conseguidas à custa dos funcionários públicos e dos fundos da Segurança Social.



*** * ***
CARTOON



7 comentários:

Luís Nascimento disse...

www.emma-actividades-musicais.pt

o escriba disse...

Imagens muito fortes mas ilustrativas do mundo em que vivemos.
Quanto à conversa desse sr. Mendonça, como diria a minha avó "muito fala quem é vivo"!Ai!Ai...

Mare Liberum disse...

Coitados dos funcionários públicos que são quase sempre responsáveis pelos males da nossa economia enquanto outros saem ilibados ou quase e de algibeiras cheias.

Cumptos

São disse...

Como trabalhadora da função pública e tendo "a minha consciência tranquila" (como é hábito ouvir dizer a todos os suspeitos)quero pura e simplesmente que essas criaturas sem vergonha se escafedam !!

Boa semana.

Pata Negra disse...

Em Portugal, orgulhamo-nos dos brandos costumes, do políticamente correcto, do não pessoalizar as questões. Meus senhores, isto é pessoal, é tu cá tu lá: diga lá senhor Mendonça os seus rendimentos mensais declarados! Já nem falo nos outros!
Puta que os pariu! Querem-nos fazer acreditar que quanto pior vivermos, melhor vai o país! Esou-me borrifando para o país que vai bem com o meu mal!
Um abraço a caminho da luta armada

adrianeites disse...

o problema deste país são as posições extremas... dizem que somos de brandos costumes e tal mas nada disso é verdade...

Obviamente que a situãção do país não esta facil.. O actual nível de endividamento conduzir-nos-à á banca rota se não se fizer nada.. temos de aprender com a grécia..

Eu defendo o congelamento de salários na função publica para salários superiores a 1500€ durante 3 anos. Eu defendo a extinção de pensões para altos cargos publicos, o acumular de remunerações e pensoes publicas, as regaloas interminaveis...

E defendo a avaliação dos funcionarios publicos com base no mérito e nunca na antiguidade.. e defendo a igualdade face ao privado... não pode haver empregos pr'a vida....

cump's

Meg disse...

Zé,

Este não é o antigo sindicalista da Lisnave tornado empresário e que é agora patrão dos patrões?
Já dizia a minha avó... não sirvas a quem serviu, nem peças a quem pediu!
Mais comentários para quê? Eu ouvi a "grande entrevista" que ele deu na RT1.

Um abraço