domingo, junho 12, 2005

EXIGÊNCIAS E MORDOMIAS

A propósito da discussão das mordomias das classes políticas e dirigentes, com alcavalas de diversa ordem com os mais variados pretextos, recordei-me da exigência de alguns directores de museus e monumentos (ainda são alguns) de obrigarem os vigilantes a usarem sempre o fardamento anteriormente previsto para os guardas de museu. Legalmente parece que é no mínimo discutível a aplicação da antiga lei, mas a grande verdade é que o recurso a esse argumento esbarra com o não fornecimento do fardamento especificado no seu texto.
Habituados ao disparate, como estamos, também convinha recordar tão zelosos dirigentes do facto de 1 fato por ano e 2 camisas não darem para um funcionário se apresentar com a dignidade devida, para além de não serem iguais as condições de trabalho nos diversos serviços. Já agora, e para quem teima na gravata em pleno Verão aconselhamos que ponham os olhos no exemplo do Japão e aprendam a ser práticos.
Por último fica a sugestão duma mordomia, que tal pagarem umas despesas de representação já que tanto falam na imagem de Portugal ?

2 comentários:

o guardião disse...

Qualquer trapito serve excepto calças de ganga, blusas decotadas ou sem mangas e ténis. O uniforme devia ser considerado uma forma de discriminação já que só se aplica, com esta falta de dignidade, a pessoal de categoris inferiores ou a forças policiais e militarizadas.

Anónimo disse...

intiresno muito, obrigado