segunda-feira, março 01, 2010

AS EXCEPÇÕES À CRISE

Sempre que a economia nacional é declarada em crise, o que tem acontecido com frequência, são anunciados cortes que por acaso atingem sempre os mesmos.

Eu sei que o que disse é muitas vezes chamado de discurso da esquerda radical, mas todos sabemos que é uma verdade inquestionável. Os alvos dos cortes são feitos nos salários, nas reformas, e claro está nos impostos indirectos que atingem todos por igual.

Porque somos todos iguais, quando o governo fala da convergência dos sistemas de pensões, temos uns quantos que são mais iguais do que a generalidade dos portugueses, que são aqueles senhores que têm as pensões vitalícias.

Podem dizer-me que as pensões vitalícias dos políticos acabaram, mas há quase 400 beneficiários e nos últimos tempos houve uma corrida a esta “benesse”, que continua com uma fórmula de cálculo que data de 1985. Note-se que a pensão vitalícia é cumulável com a reforma por aposentação e ainda com um salário no sector privado.

A crise quando ataca escolhe sempre os mesmos. Chamem-me o que quiserem mas eu tenho o direito de me indignar com esta situação.

Mais AQUI



FOTOGRAFIA
Viksy

TiNk@


CARICATURA
Farrell

Diogo Salles

4 comentários:

Meg disse...

Zé,

Como também não posso fazer nada, indigno-me contigo.

Um abraço

Marreta disse...

Já somos 2, e como nós alguns milhões. A questão é tentar encontrar alternativas a estes desgovernantes.

Saudações do Marreta.

Angela Guedes disse...

Oi Zé!!!
Também estou indignada,
ja somos três...
Beijinhos
Ângela

Anónimo disse...

Se querer menores desigualdades é ser da esquerda radical, então eu sou uma perigosa radical esquerdina.
Bjos da Sílvia