quarta-feira, julho 03, 2013

DA COMÉDIA À TRAGÉDIA

Para muitos era impensável um espectáculo tão degradante, de políticos, num país que atravessa severas dificuldades económicas, e que carregou de austeridade os seus cidadãos durante dois anos, sem resultados palpáveis.

O mentor da estratégia demite-se dias antes do prometido regreso aos mercados de capital, o chefe do executivo tece-lhe elogios e nomeia uma secretária de Estado que está metida numa embrulhada com swaps, enquanto o Presidente da República diz que se querem que o governo caia terão de o fazer no Parlamento, que por ele não cairá.

Nada disto bastava, e vem mais uma demissão, desta vez do número 2 e chefe do outro partido da coligação, conhecida uma hora antes da tomada de posse da nova ministra das Finanças, que se efectua como se nada estivesse a acontecer. A noite acabaria com a comunicação de Passos Coelho, que afirmou não se demitir e que não aceitava a demissão (irrevogável) de Paulo Portas.

O país não merece tamanha irresponsabilidade nem tanta garotice de gente que terá jurado exercer a sua actividade governativa no interesse do bem dos cidadãos e do país. A posição de Cavaco Silva é também inexplicável e apenas confirma o que muitos de nós temos dito da sua acção simplesmente desastrada e pouco condizente com a função que devia desempenhar.

CARTOON

2 comentários:

Anónimo disse...

A foto do algarvio está muito boa
Lol

AnarKa

Metalurgia das letras disse...

Resta saber onde enfiarão essa banana radioativa? Mas não devia ser uma cenoura?