sexta-feira, dezembro 17, 2010

POEMA AO VENTO

Sopra o vento, sopra o vento,
Sopra alto o vento lá fora;
Mas também meu pensamento
Tem um vento que o devora.

Há uma íntima intenção
Que tumultua em meu ser
E faz do meu coração
O que um vento quer varrer;

Não sei se há ramos deitados
Abaixo no temporal,
Se pés do chão levantados
Num sopro onde tudo é igual.

Dos ramos que ali caíram
Sei só que há mágoas e dores
Destinadas a não ser
Mais que um desfolhar de flores.

Fernando Pessoa



FOTOGRAFIA


CARTOON
Esperem só por 2011...

4 comentários:

C Valente disse...

Deixei no meu blog um simples presente com votos de BOAS FESTA
Saudações amigas

AFRICA EM POESIA disse...

É Natal
um beijo e sou uma Sonhadora ainda acredito que um dia vai ser natal para todas as crianças...

MAGIA


Natal...
Palavra mágica...
Só em Dezembro...
Porquê Natal?...
Porque não...
Todos os dias?...

Vamos fazê-lo...
Vamos parar...
Vamos pensar...
E ver que cada um...
Se olhar ao seu redor...
Todos os dias...

Pode fazer...
Sempre Natal!...


LILI LARANJO

tulipa disse...

OLÁ XAMUAR

Vim espreitar a ver se via por aqui, algo relacionado com ovelhas;
..."anda por aqui a rondar uma ideia sobre as ovelhas...mas que irá surgir num boneco um destes dias"...

Aproveito para dizer que gostei do poema.
Obrigado pela partilha.
Bom fim de semana.
Um abraço.

Folhetim Cultural disse...

Parabéns pelo blog e pelos textos... Tenho um blog chamado Folhetim Cultural gostaria que visita-se este é o endereço: informativofolhetimcultural.blogspot.com
Vamos trocar conhecimentos...
Ass: Magno Oliveira
Folhetim Cultural