domingo, janeiro 05, 2014

MIXOMATOSE E O COELHO

O mundo já foi infestado por diversas pragas, algumas bem antigas, como a dos gafanhotos, ou outras verdadeiramente mortais para os humanos, como a peste bubónica, mas o planeta continua vulnerável a outras pragas, que muitas vezes começam por ter um aspecto inofensivo, até se revelarem perigosas.

Na Austrália por volta da segunda metade do século XIX, três casais de coelhos fugiram do local onde estavam confinados, e encontraram naquelas paragens um ambiente favorável à sua reprodução, tornando-se rapidamente numa ameaça para as culturas, obrigando as autoridades a tentarem defender os campos com redes, o que era ineficaz, e a oferecerem recompensas por cada coelho morto.

Já no século XX introduziu-se intencionalmente o vírus da mixomatose, para controlar a praga, o que se verificou eficaz provocando uma mortalidade acima dos 90%. Como era de esperar, os coelhos desenvolveram alguma imunidade à mixomatose e a taxa de mortalidade baixou significativamente, mantendo-se mesmo assim suficiente para manter o controlo sobre esta verdadeira praga.


A humanidade tem encontrado, até hoje, medidas de combate a quase todas as pragas, e espera mos continuar a fazê-lo, embora seja absolutamente indispensável identificar a tempo as pragas nocivas, como tem acontecido, e ter a capacidade de empregar os meios necessários para delas nos livrarmos. 


3 comentários:

maceta disse...

até para se ser coelho a sério é preciso ser verdadeiro...

Elvira Carvalho disse...

Caramba amigo este coelho assusta quase tanto quanto o outro.

Gilberto Fernandes Teixeira Teixeira disse...

Faltou o som do grito do bicho, que deveria ser horrivel a altura!