domingo, julho 08, 2007

COMEÇAR POR BAIXO

Hoje li duas notícias que por abordarem questões laborais por ópticas diferentes me chamaram a atenção. A primeira era referente à Alemanha e tratava da falta de pessoal qualificado, que é um problema muito sentido pela Europa, e dizia que os “trabalhadores de prata” (com mais de 60 anos) «são necessários em todas as áreas e devem ser valorizados pela sua experiência, pelo conhecimento, bem como pela facilidade de adaptação aos novos desafios».
A segunda, abordava o mercado de trabalho nacional e lamentava que jovens licenciados estivessem a desempenhar tarefas de venda de produtos como a banda larga que nada teriam a ver com a sua formação, concluindo que se queremos inovação, então teremos de dar mais oportunidades aos jovens com formação superior.
As duas abordagens têm pontos fortes e traduzem bem o impacto que a estagnação da economia europeia teve, na última década, no mercado laboral. Um pouco por todo lado, a partir dos anos 90, começaram a ser dispensados os trabalhadores com mais idade, com reformas antecipadas ou pre-reformas, num esforço de contenção de custos, mas quando a economia começou a mostrar sinais de retoma, constatou-se que não tinha havido uma renovação de gerações e que no mercado de trabalho não haviam profissionais experientes para contratar e que as novas gerações, mais bem habilitadas a nível formal não estavam disponíveis para trabalhar nos sectores fabris e industriais, nem tinham qualquer experiência nessas áreas.
Hoje estamos a enfrentar um problema complexo de gestão de recursos humanos, derivado de dois factores: a baixa natalidade neste continente e a falta de renovação de gerações na última década.
As consequências imediatas são o prolongamento da vida activa dos mais velhos, e a entrada tardia dos jovens na vida produtiva. Para os jovens acresce ainda um outro problema, vão ter de se habituar à ideia de terem de entrar no mundo laboral por posições mais modestas e a terem de aguardar pelas promoções que o mérito e profissionalismo inevitavelmente lhes darão. Os canudos terão menos magia que no passado recente todos, ou quase todos, terão de “começar por baixo”.

*** * ***
FOTOS - BELEZAS DA NATUREZA
Виктор Михалыч

Kned

ptitch

*** * ***
CARTOON

Mike Thompson

4 comentários:

Aninhas disse...

Os jovens com o canudo nas mãos não estão dispostos a começar por baixo e os seniores não querem ser obrigados a trabalhar ainda mais anos, já que a maioria teve carreiras laborais muito longas. Isto é complicado e o futuro está comprometido.
As fotografias são uma beleza e o Google pode ser uma ameça se manipulado pelos poderes, o que nos faz lembrar a China e a filtragem que por lá se faz de conteúdos.
Beijo e bfds

Meg disse...

Resumindo, Zé, somos um país de gente "encostada" ... novo porque são novos, canudos que não prestam para nada, e velhos desaproveitados uns, aproveitadores
muitos. Sei que dizer isto não é muito políticamente correcto, mas eu também não sou, ora!
Um abraço

Savonarola disse...

E, ainda por cima, a Alemanha é um exemplo de um país avançado, onde os problemas se põem a um nível que Portugal está longe de ter atingido, se bem que para lá caminhemos. Já no cavaquismo se começou a "arrumar" com os mais velhos e a defender a importância dos recém-licenciados. Contudo, a estes falta a experiência profissional para desenvolver as empresas. Depois, saíram tantas fornadas de licenciados, que acabaram a engraxar sapatos no Rossio...
Não há dúvida de que esta economia neoliberal "devora" as pessoas e os talentos.
Um abraço anarquista

J.G. disse...

Meu caro zé:

num país onde o ensino atingiu um nível tal que Licenciados em Direito saem das Universidades sem sabeem redigir uma petição, tudo o resto que se diga é acessório.

um abraço