segunda-feira, julho 03, 2006

OUTRA VEZ?

Há quem nos tente fazer crer que não existe campanha nenhuma, bem orquestrada, contra os funcionários públicos, contudo, a imprensa escrita e as televisões continuam sistematicamente a dar eco a pessoas que dedicam grande parte do tempo e espaço disponível a fazê-lo.
Num país livre como o nosso, todas as opiniões são respeitáveis, mas é curioso que aos funcionários públicos não seja dado espaço ou tempo de antena para rebaterem muitas das críticas que lhes são feitas. Temos lido e ouvido opiniões que são autênticos insultos para quem trabalha, sublinho o trabalha, na função pública e cumpre as tarefas que lhes são confiadas, que eu acredito, são uma larga maioria.
Há quem chame, indiscriminadamente, os funcionários público de sanguessugas ou de gordura inútil, sublinhando que “...Grande parte da população activa, através do Estado, recebe do país muito mais do que contribui.”. Mas ainda vai mais longe, afirmando que “É esta adiposidade que a dieta tem de eliminar.”.
Os nossos eminentes economistas, há tantos que até nem se percebe porque é que a nossa economia está neste estado, têm sido os mais ferozes neste ataque aos funcionários públicos, mais ainda que os empresários, o que não deixa também de ser curioso. Um caso particular que mais me tem chocado é o do Professor João César das Neves, que é sobejamente conhecido por algumas posições mais ou menos fundamentalistas no campo moral ou religioso, mas que mostra idêntico tique no respeitante à função pública.
Uma vez que, o respeitável professor indica o remédio para os problemas nacionais, receitando que “...É urgente que no corpo nacional a carne saudável substitua a gordura inútil.”, é da mais elementar regra de justiça que diga, de uma vez por todas, quem é afinal o tal tecido adiposo, onde está e quem são, ou foram, os responsáveis por tal situação.
Senhor professor, generalizar é fácil mas muito perigoso. O senhor ofendeu muita gente que não merece esta a sua falta de respeito. Um pedido de desculpa talvez não lhe ficasse mal.

1 comentário:

Lunático disse...

Olhe que gostei. Eu li que os responsáveis por uma Câmara afirmaram que talvez tivessem quase 1.500 funcionários a mais(?). Claro que também quem o afirmou não disse quem eram, não responsabilizou os responsáveis (e há neste país?), nem disse quantos acessores, consultores e avençados existem. Será que o próprio Presidente não está a mais? É que ao que consta, e é público, tem andado numa roda viva para assistir aos futebóis...