sábado, dezembro 31, 2016

FELIZ ANO NOVO


NÃO ERA PARA SER ISTO, MAS...

Estava a preparar-me para fazer um balanço do ano de 2016 e coloquei um CD do Mário Mata a tocar e, deixei de ter vontade de o fazer. Para não deixar o dia em branco deixo-vos duas músicas do Mário, que vem sempre a propósito...



quinta-feira, dezembro 29, 2016

SÓ PODEM ESTAR A GOZAR

Este governo tem estado a descarrilar nestes últimos meses, e a discussão do ordenado mínimo nacional e o acordo conseguido, foi apenas o sinal mais visível do desvio do caminho mais consensual com os parceiros que o apoiam no Parlamento.

Quando há que escolher entre a posição dos trabalhadores e dos patrões o PS vacila, e quase sempre toma o partido do patronato. Nos próximos tempos veremos quais serão as alterações recentes às leis laborais que o executivo estará disposto a anular.

Outra frente que já está na calha prende-se com o aumento dos dias de férias, para os níveis anteriores à troika, e já se viu Vieira da Silva a “patinar”. Agora veio “a novidade” da possível taxação de parte do subsídio de alimentação dos funcionários públicos em 2017, o que a ser verdade será mais um tiro no pé. A indefinição do feriado de Carnaval também mostra um recuo assinalável…


O PS pode estar a pensar numa possível maioria num processo eleitoral a médio prazo, mas o encosto às posições dos partidos de direita não lhe vai ser favorável, disso podemos todos ter a certeza.  


segunda-feira, dezembro 26, 2016

SÃO SEMPRE OS OUTROS…

Por acaso assisti aos telejornais da hora do almoço de dia 26 de Dezembro, e uma das notícias em destaque era a tolerância de ponto dada aos funcionários públicos, e o mesmo já tinha acontecido com o noticiário da rádio, que também não passou ao lado da notícia.

Na parte da manhã pretendia fazer uns pagamentos e, na minha pausa, fui ao multibanco e reparei que o banco estava fechado, e por acaso era um banco que nos custou a todos uma pipa de massa, mas os outros em redor também estavam fechados. Ao almoço fiquei surpreendido por encontrar os restaurantes quase todos encerrados, sendo que alguns só abrem dia 2 de Janeiro.

Já devem ter percebido que sou funcionário público e que trabalhei no dia 26 de Dezembro, bem ao contrário de todos aqueles que enchiam os centros comerciais, os passeios da zona de Belém, os palácios de Sintra, os restaurantes da baixa lisboeta, da Ericeira e muitos outros locais de que não vi imagens.

O reparo quanto às notícias não tem que ver com a tolerância de ponto dada pelo governo, mas sim da sua má utilização que fazia crer a muita gente que eram só os funcionários públicos que tinham tido esse benefício, e nem todos como se percebe, ignorando que afinal muitos mais tiveram direito a gozar este dia, para descansar, para estar com a família ou simplesmente para dar um passeio… 

quinta-feira, dezembro 22, 2016

NOTÍCIAS DO PATRIMÓNIO

Sobre museus acho que li nos jornais umas três notícias, todas sobre o Museu Nacional de Arte Antiga, e eram sobre o trabalho de Sequeira, sobre a intenção de comprar um novo quadro com a colaboração da sociedade civil e outra sobre a possível ampliação do museu em direcção à Avenida 24 de Julho.

Falando de monumentos acho que as últimas notícias salientavam os números excepcionais das entradas nos Jerónimos e na Torre de Belém.

Quanto a palácios e já depois do anúncio da finalização do Palácio da Ajuda, acho que só umas notas de rodapé sobre o Tricentenário da edificação do Palácio de Mafra.

Fora da alçada do Ministério da Cultura brilha a Parques de Sintra, que já coleciona distinções mundiais de conservação, que vai mantendo níveis de público verdadeiramente grandes, que vai restaurando as fachadas de Queluz, que continua a recuperar todos os outros monumentos a seu cargo, e que vai anunciando espectáculos de Natal na Vila de Sintra.


O balanço talvez seja injusto para o sector público, mas na realidade não há nada de relevante para destacar, porque não se está a cuidar do Património, e tudo o que se vai fazendo é no sentido de manter as portas abertas, e viva o velho…

terça-feira, dezembro 20, 2016

O MUNDO QUE NOS RODEIA

O mundo que nos rodeia está cada vez mais perigoso, não só pela fraca qualidade dos políticos que nos dirigem, como pelos conflitos que existem em muitas zonas, e a falta de soluções para diminuir as tensões que vão aumentando a cada dia que passa nas relações internacionais.

Trump é apenas um dos mais perigosos políticos, porque é o presidente dos EUA, mas existe também um Putin que também é igualmente perigoso, com outro estilo. Noutras paragens como a Síria, no Irão, na Serra Leoa, em Israel, na Palestina, na Turquia, e noutros países, também existem conflitos com milhares de mortes, uns mais mediatizados, outros nem por isso.

Mesmo em zonas que não têm em curso conflitos armados temos problemas mais reais do que muitos pensam, como na Polónia, na Itália, na Grã-Bretanha, ou Hungria, temos problemas políticos e económicos que colocam em causa a economia e o equilíbrio geopolítico mundial.


Se quiserem juntar a tudo isto o terrorismo que grassa um pouco por todo o lado, talvez tenhamos um retrato bem negro do mundo em que vivemos.  


domingo, dezembro 18, 2016

A MENTIRA DA TOLERÂNCIA DE NATAL

Se há coisa que não suporto é a hipocrisia, e pouco me importa que estejamos perante um governo de direita ou de esquerda, porque é o acto que me repugna e não qualquer outra coisa.

O que o primeiro-ministro disse em declarações públicas sobre a decisão de dar tolerância de ponto a toda a função pública, que a decisão se justificava porque “o Natal é um momento de encontro das famílias, muita gente não trabalha no local onde tem as famílias, por isso é natural que haja deslocações e optou-se por fazer a tolerância de ponto dia 26”, não é verdadeiro para todos aqueles que trabalham aos sábados, domingos e feriados, mesmo os que o fazem em serviços não essenciais, como os Museus, Lojas do Cidadão e outros.

Sabe-se que o senhor António Costa não conhece a realidade de toda a função pública, que os seus conselheiros também não tiram os traseiros dos gabinetes, nem tão pouco vão trabalhar nos dias 24 e 31, mas não é justo que se esqueçam dos que trabalham nesses dias e que também gostariam de passar o Natal com as suas famílias, e que sabem bem que não será por estar fechado um museu, ou uma Loja do Cidadão que a vida de alguém sofre danos irremediáveis. Acrescente-se ainda que o dia 26, segunda-feira, já é dia de folga na maioria dos museus.


Governantes que estão tão longe dos governados, e inclua-se aqui o senhor ministro da Cultura, que não abre a boca, não merecem mais do que uma crítica que demonstre o meu desprezo. 


sexta-feira, dezembro 16, 2016

VEM AÍ UM ANO EXCEPCIONAL…

O ano que corre não foi dos melhores, ainda que segundo a comunicação social eu tenha visto o meu salário aumentar porque sou funcionário público, e terei sido um grande felizardo.

Confesso que não dei por melhorias e fazendo comparações com o ano de 2010 fiquei bem abaixo do que então recebera, quer em termos brutos quer líquidos.

Agora voltei a ler que vou receber em 2017 o mesmo que em 2010, ou até mais, porque me vão aumentar substancialmente o subsídio de alimentação.

Não sou muito versado em contas, mas mesmo considerando o “substancial aumento” de 25 cêntimos por dia trabalhado a partir de Janeiro, não consigo ver como é que isso vai compensar o aumento dos descontos para a ADSE, os aumentos de impostos entretanto verificados, já para não falar no raio da inflação acumulada nestes anos.


Será que vale a pena festejar?


quarta-feira, dezembro 14, 2016

PALÁCIO DE MAFRA E A HIGIENE

Depois de algumas visitas a esta obra majestosa e imponente, uma falta saltou-me à vista e deixou-me bastante admirado, porque embora este palácio não tivesse sido muito utilizado pela família real, recebeu-os por diversas ocasiões em visitas curtas, mas devidamente documentadas.

A lacuna é a de casas de banho dignas desse nome nos aposentos reais, com água corrente e sanitas fixas, que nos séculos XIX e XX eram comuns noutras residências reais temporárias, como se pode ver nos palácios de Sintra.

Sabemos que no século XVII era generalizada a rejeição da água, tida como veículo contaminador do corpo, portador de doenças e de várias moléstias e pestes, mas à toillete seca, ligada ao enxugar e ao perfume, com a importância da roupa interior, segue-se nos anos 1740-1750, a água quente e depois fria que faz o regresso aos hábitos de higiene, ainda que com distinções sociais, mas mais saudável.

Note-se que o Palácio de Mafra não tem, aparentemente abastecimento de águas no andar nobre, mas em contrapartida existe um rede de esgotos que desemboca em galerias onde circulava água vinda da zona do Jardim do Cerco, que depois iriam desembocar em zonas mais baixas, pretensamente na rectaguarda da Caixa Geral de Depósitos de Mafra, fronteira ao edifício.  

1

segunda-feira, dezembro 12, 2016

DISPARIDADES SALARIAIS EM PORTUGAL?

Ainda há poucos dias se discutia o salário do novo presidente da Caixa Geral de Depósitos, que para muitos (eu incluído), é simplesmente ofensivo para a maioria dos cidadãos portugueses que são afinal os accionistas do banco, mas os senhores que apoiam o governo decidiram (mal) manter o salário milionário prometido ao anterior titular.

Soube-se agora, oficialmente através de dados do Eurostat referentes a 2014, que Portugal é dos países europeus com maior disparidade salarial, não só entre os salários mais altos e os mais baixos, mas também entre os mais altos e a média do país, onde surge mesmo em 1º lugar.

Os senhores políticos que nos governaram, os que hoje nos governam, e os que os apoiam ou apoiaram, deviam neste momento apresentar desculpas aos portugueses e manifestar estarem envergonhados com esta realidade. O mesmo se aplica ao patronato reacionário e explorador que continua a contestar um aumento do salário mínimo que o leve a níveis de dignidade humana.


O problema não é a falta de dinheiro, como se percebe, mas sim a sua má distribuição, e aqui temos o papel regulador do Estado, que afinal não tem sido competente como ficou comprovado. 


sábado, dezembro 10, 2016

VELHOS SÓ PARA GUIAR?

Não sei quem teve a ideia peregrina de incluir no novo Plano Estratégico de Segurança Rodoviária (PENSE 2020) a medida de fazer com que a revalidação da carta dos condutores com 65 anos ou mais, esteja dependente de fazer uma formação obrigatória.

Por que carga de água é que estes iluminados pensam que um individuo só porque atingiu os 65 anos deixou de estar desactualizado no que respeita aos conhecimentos de condução, ou não reúne condições mentais para a condução?

Este governo presta-se para aumentar a idade de reforma, e esta já se situa acima dos 66 anos, e que me conste não pensou em tornar obrigatória a formação dos funcionários com 65 anos, nem sequer pensou em aliviar a sua carga horária, o tipo de trabalho que desenvolvem, e muito menos faz questão em fazer avaliações médicas (medicina no trabalho), para saber as condições em que estão os seus próprios funcionários.

Será que a avaliação médica obrigatória dos condutores com 50 e mais anos não é suficiente para determinar as capacidades do condutor? Que tipo de formação será indispensável para que um condutor de 65 anos fique mais capacitado para andar nas estradas? Por que é que para conduzir uma viatura seja exigível mais do que para desempenhar um qualquer ofício? Pessoas com mais de 65 anos podem e devem trabalhar, mas talvez não estejam capazes para o acto de conduzir um veículo motorizado?


A pergunta mais interessante que hoje ouvi, foi se Marcelo Rebelo de Sousa estará capaz para desempenhar o cargo ou se necessitará de alguma formação obrigatória… 


sexta-feira, dezembro 09, 2016

A TECNOLOGIA É LIXADA

Enquanto uns se deliciam com as novas tecnologias, e com as facilidades que elas nos proporcionam, outros tremem de cada vez que se anuncia uma nova descoberta, ou um novo uso para as tecnologias mais recentes.

O recente anuncio da Amazon que pretende avançar com loja sem filas nem caixas, é o mais perfeito exemplo do que digo: delicia quem diz não ter tempo a perder, horroriza quem trabalha em supermercados.

As novas tecnologias podem facilitar-nos a vida mas também contribuem para um aumento do desemprego, e isso já devia estar a ser equacionado pelos diferentes governos deste planeta, porque existe uma potencial ameaça ao sistema de segurança social que tanto prezamos na Europa.

A tecnologia continuará a evoluir, e ela é (quase sempre) benéfica para a humanidade, mas na verdade é alterado um factor de equilíbrio da sociedade actual, que é o baixo desemprego. Chegados aqui é necessário reequacionar a natureza dos nossos impostos, pensados para fazer uma redistribuição da riqueza a partir dos rendimentos do trabalho.


Não existem muitas opções para garantir uma redistribuição mais justa da riqueza, com estes avanços constantes da tecnolologia, e o patronato não vai gostar de nenhuma, porque terá que se taxar as máquinas, ou o que elas produzem, diminuir os horários de trabalho, e aumentar os salários, a menos que se desejem grandes assimetrias e constantes conflitos sociais.


terça-feira, dezembro 06, 2016

UMA MÁ IMPRESSÃO DE SINTRA

Fui ao centro de Sintra num dia de comemoração do aniversário da minha esposa e, apesar de conhecer muito bem a Vila, onde trabalhei durante muitos anos, fiquei espantado com as mudanças acontecidas nestes últimos dois anos.

Comecei por ficar mal impressionado com o trânsito, porque entrar ou sair de Sintra via S. Pedro é uma trapalhada e está tudo mal assinalado, mas disseram-me que depois de nada se fazer durante os últimos anos, agora em vésperas de eleições autárquicas a autarquia acordou.

O número de turistas nesta época do ano parece ser maior, e sobretudo deixou de estar exclusivamente dependente do afluxo de espanhóis, que embora sejam muitos já não são os únicos. Curiosamente o turismo em grupo continua a existir, mas os que se deslocam de carro ou em transportes públicos são cada vez mais, o que nos traz mais gente jovem e gente com maior poder de compra.

O restaurante escolhido, excelente diga-se já, fica perto da estação de comboios e depois de algumas voltas, lá encontrei um lugar pago para estacionar. Tinha notado que junto à estação havia alguma aglomeração de pessoas, que não me parecia normal. Não era, de facto, e eram indivíduos jovens na sua maioria, que abordavam agressivamente os turistas para alugar bicicletas, e carros de todos os tipos, bem como as sempre presentes tuk-tuk.


Acho que a venda de serviços devia ser regulada, porque é extremamente aborrecido ser quase assaltado por quem “vende” serviços na via pública. Sei que isto existe em Itália e noutras paragens turísticas por esse mundo fora, mas posso discordar deste tipo de abordagem, e não serei o único. 

domingo, dezembro 04, 2016

O GOVERNO E A COMPETÊNCIA

A nomeação da nova gestão da Caixa Geral de Depósitos, não foi só uma monumental trapalhada, de que todos os meios de comunicação social fizeram eco, mas também um sinal de esperança para todos os trabalhadores que ainda acreditam que a Justiça prevalecerá.

Parece estranho que se faça um paralelo entre um gestor como Paulo Macedo e um qualquer trabalhador, mas se o executivo de António Costa acha que a competência do gestor que escolheu merece um altíssimo salário, então também é lícito pensar que o mesmo é válido para todos os trabalhadores, dos mais variados ofícios, que o fazem de um modo competente.

Será que isto é como acreditar no Pai Natal?Então não vamos todos receber salários competitivos relativamente aos dos países com os quais competimos neste mundo globalizado?


sexta-feira, dezembro 02, 2016

QUE PAROLICE…

Temos assistido a diversas demissões por se desvendar que havia diversas habilitações falsas de pessoas ligadas ao poder, e isso tem sido “um pratinho” para a comunicação social, e para a oposição, apesar de não serem factos únicos, ou até pouco comuns na nossa sociedade.

Em Portugal tem-se tido como dado por certo que um qualquer licenciado estar imediatamente capacitado para desempenhar qualquer cargo, independentemente da afinidade entre a licenciatura e o cargo ocupado.

A tolice imensa chegou ao ponto de um engenheiro ser considerado apto para o ministério da saúde, um médico ser considerado ideal para a educação ou um diplomata ser uma boa escolha para a Cultura.

Trabalho num serviço onde um terço dos “doutores” não o é, e onde pessoas da mesma categoria profissional têm horários diferentes, com o conhecimento dos superiores, que acabam por discriminar os próprios funcionários, sem admitirem nunca situações de favorecimento.


Isto é o Portugal  parolo no seu pior! 

quarta-feira, novembro 30, 2016

OS VISITANTES DIFÍCEIS...



A vida dos funcionários de vigilância dos museus é tudo menos fácil, e eis que me proponho a divulgar duas conversas bem elucidativas.

Entram dois casais com um ar distinto, usando aquele palavreado típico que irrita um santo, e depois de debitarem uma série de banalidades, eis que uma das senhoras se dirige a uma peça de porcelana, que até estava em zona de protecção das baias daquela sala, e pega nela virando-a ao contrário. A vigilante da sala dirige-se à senhora:

- Desculpe minha senhora, mas nas peças expostas não se pode tocar.
A resposta da senhora, olhando por cima dos óculos, veio de imediato.

- Eu sei, estava apenas a ver se tinha alguma marca de fábrica.

Outra que por acaso presenciei, foi a do senhor que atravessou o perímetro das baias de protecção de um coche e se preparava para subir para o seu interior, com o filho ao colo, no que foi impedido pelo funcionário, que se lhe dirigiu dizendo:

- O senhor não pode estar nessa zona, nem tão pouco tocar na viatura.

O senhor irritadíssimo, retorquiu:

- Não posso porquê? Onde é que isso está escrito? Isto também é meu, e quem é você para me proibir, e o que é que vai fazer?

Nem toda a gente tem estes comportamentos, mas mesmo assim estas situações são comuns nos nossos museus, infelizmente.



segunda-feira, novembro 28, 2016

FIDEL



São poucos os políticos que conseguem ser amados por uns e odiados por outros, mas que conseguem ser coerentes durante muitas décadas, até à sua morte.

Fidel conseguiu tudo isso, mas conseguiu também sobreviver ao ódio de dirigentes da maior superpotência mundial, que repetidamente o tentaram assassinar, como é público.

Podemos concordar ou discordar das opções políticas ou do modo como dirigiu Cuba, mas Fidel foi sempre fiel a si próprio e ao seu discurso, coisa de que poucos políticos mundiais se podem orgulhar.

Por estes dias vemos figuras cinzentas da nossa política a criticar Fidel Castro, contudo nunca ficarão na História por algo relevante, ao contrário de Fidel, que apesar de tudo até foi respeitado por boa parte do seu povo, independentemente das condições de vida a que foram sujeitos, e até por muitos dos seus opositores.



quinta-feira, novembro 24, 2016

MUSEU COLECÇÃO BERARDO

A confirmação de entradas pagas no Museu Berardo, no CCB, foi recebida com alguma surpresa, não pelo facto de serem pagas, mas porque aconteceu depois da confirmação da renovação do acordo por mais seis anos, sabendo-se que a dotação do Estado para a Fundação Berardo aumentou 180 mil euros, de 2016 para 2017.

Este acordo pode até ser muito interessante para algumas pessoas, mas há questões que ficam no ar, e para as quais não se conhecem respostas.

Que responsabilidades passam para a Fundação Berardo, com as entradas pagas, para além dos encargos com a bilhética? Por que razão foi aumentada a dotação do Estado para os próximos dois anos, se as entradas aliviam a gestão do museu?


A utilização de dinheiros públicos devia obrigar o Ministério da Cultura a deixar bem clara esta situação, porque pelo que se soube através da comunicação social, não nos parece que o Estado tenha feito um bom negócio, mas não estamos na posse de toda a informação. 


terça-feira, novembro 22, 2016

MAFRA – ACTUALIZAR AS LEGENDAS

Há alguns meses falou-se muito da intenção demonstrada pelo Rijksmuseum de alterar o nome de algumas das suas obras devido ao facto de terem recebido reclamações, segundo as quais algumas pessoas diziam estar incomodadas com alguns termos utilizados nas legendas de algumas peças.

Termos como “preto”, “negro”, “mouro”, “anão” ou “selvagem” fazem parte da linguagem que seria actualizada, como resposta ao desconforto de uma parte dos visitantes.

Na minha recente visita ao Palácio/Convento de Mafra, e muito admirado pela falta de legendas, que sendo poucas podiam (e deviam) ser menos amadoras, e uma chamou-me a atenção pelo seu carácter inutilmente elitista.

A referência a “pessoal superior”, mostrada no seu contexto na imagem abaixo, é absurdo, até porque nunca vi nenhuma equivalência de “nobre” ser denominada como “pessoal superior”, mas acredito que a legenda tenha sido elaborada por algum técnico superior, o que pode (?) explicar a confusão.

Em rigor nem na situação dos aposentos em questão, o quarto de camarista, no piso nobre, é superior ao dos criados do sexo masculino (pessoal inferior?), que estavam situados nos mezaninos (acima do piso nobre).


Estamos em crer que a designação infeliz será corrigida em breve, e que as novas tabelas prometidas para 2017 venham a ter uma qualidade condizente com este conjunto monumental, porque há que ultrapassar esta “pobreza franciscana”. 

A
Cela fradesca

sábado, novembro 19, 2016

MARCELO O OPTIMISTA

Marcelo Rebelo de Sousa nunca teve uma bola de cristal, nem teve artes de adivinho, mas com esta afirmação pretendeu aliviar a pressão sobre o governo, mas sabe perfeitamente que não é curial aumentar a polícia e os militares, permitindo-lhes que progridam nas carreiras, e deixar na mesma os restantes funcionários públicos, sabendo que entre eles há quem ganhe o salário mínimo, e muitos mais que ganham pouco mais do que isso.

Passou muito tempo desde que as carreiras foram congeladas e que aconteceu o último aumento, e adiar ainda mais vai acabar por causar ainda mais tensões, quer no sector público, quer no privado.

Não brinquem mais com o fogo...

quinta-feira, novembro 17, 2016

O CONFÚCIO DO FUTEBOL PORTUGUÊS

Uma das “qualidades” mais reconhecida aos agentes do futebol é sem dúvida a arte da dialética e a coerência do discurso.

Esta semana fomos todos brindados com a citação de Confúcio, pelo exímio Jorge Jesus, conhecido por ser um expert da linguagem do “futebolês”.


Costuma dizer-se que falando muito, sempre se acerta alguma coisa, e desta vez Jesus conseguiu citar Confúcio, ao dizer que “uma imagem vale mais que mil palavras”. Na realidade já tinha havido um outro treinador, o do FCP, que já tinha tentado demonstrar que é mais fácil explicar algo através de imagens, mas “o traço” não ajudou. 


domingo, novembro 13, 2016

PORQUE SURGEM TRUMP’S?

O chamado mundo ocidental, que se gaba de viver em Democracia, está chocado pela eleição de Donald Trump, não entendendo como é que isso pode ter acontecido. O mesmo já tinha acontecido com o referendo que aprovou o Brexit na Grã-Bretanha.

A explicação é porventura mais simples do que possa parecer, e resume-se ao facto de que a Democracia, nos nossos dias, dá mais importância à economia do que às pessoas.


Na actualidade os governos dão mais importância ao que sai dos encontros do Clube de Bilderberg, ou da ComissãoTrilateral, onde os políticos se desunham por ser convidados.

quarta-feira, novembro 09, 2016

A SEGURANÇA NOS MUSEUS

O caso da escultura derrubada por um visitante no Museu Nacional de Arte Antiga teve o condão de chamar a atenção para a segurança destes serviços, e isso deve merecer a atenção do Ministério da Cultura que tem deixado o assunto em segundo plano.

A falta de pessoal tem sido uma constante nesta última dezena de anos, e o elevado nível etário dos funcionários também não está a ser tido em atenção. A falta de diálogo com estes trabalhadores, quer das direcções dos museus e monumentos, quer por parte da tutela, é uma lacuna enorme porque a sua experiência poderia dar muitas pistas sobre o que é necessário fazer-se para melhorar o serviço prestado aos visitantes.

Factores como a formação, ou falta dela, e a falta de autoridade dos mesmos por falta de regras claras, têm fragilizado a actuação destes profissionais de vigilância.


Quanto aos públicos e seus comportamentos, não seria nenhum desperdício de verbas, fazer uma campanha pública sobre os comportamentos correctos durante as visitas a museus e monumentos, talvez inserida numa divulgação nacional e internacional do nosso Património. 

1

domingo, novembro 06, 2016

A (IN)SEGURANÇA NOS MUSEUS



O Museu de Arte Antiga e a falta de segurança dos museus em geral voltaram a ficar debaixo de fogo, mais uma vez, e agora porque um visitante derrubou uma escultura no MNAA.

Quem anda dentro da realidade destas coisas (museus) sabe que os primeiros domingos de cada mês, por causa das entradas grátis durante todo o dia, são dias de grande afluxo de visitantes e de grande tensão para os funcionários de serviço, que são em número insuficiente.

Dando um salto à página da DGPC onde estão os Mapas de Pessoal de cada museu ou monumento, vemos números que nos podem enganar, pois pode parecer que existe pessoal suficiente para fazer uma guardaria aceitável, mas não é bem assim.

Vejamos o caso do MNAA onde, segundo o Mapa de Pessoal existem 38 assistentes técnicos, mas que segundo o seu director apenas 20 desempenham funções de guardaria. Outros serviços da DGPC apresentam situações idênticas, porque há vigilantes que estão a desempenhar funções administrativas, outros a desempenhar funções nos serviços educativos, outros em lojas e bilheteiras, e outras situações ainda mais difíceis de perceber.

Sendo que quase todos foram admitidos para exercer funções de vigilância, a verdade é que nem todos desempenham essas funções, e por essa via também não trabalham aos domingos e feriados como os outros. O que é que resulta disto?

O que resulta é um grande descontentamento dos que são sobrecarregados com trabalho sem condições e em número mais do que insuficiente, auferindo o mesmo salário que os colegas isentos de trabalho aos sábados domingos e feriados, mas sem as mesmas regalias.

Outra consequência desta situação absurda, que os dirigentes da DGPC e dos museu e monumentos conhecem bem, é a dificuldade em fixar pessoas nestas funções (Vigilância, Bilheteira e Lojas), pois as últimas admissões já mostraram que os candidatos admitidos só desejam adquirir a categoria, após o que pedem transferência para serviços com melhores horários e com outras possibilidades de progressão, coisa que na Cultura é uma verdadeira impossibilidade.

Claro que podia falar da responsabilidade de quem organiza a exposição das peças e não acautela a sua segurança, tendo em conta a realidade existente, mas isso é outra matéria mais delicada, que não me apetece esmiuçar neste artigo.   


Fotografia retirada da internet