sábado, janeiro 05, 2013

PRIORIDADES



Já nada admira na baixa política que tem sido praticada, e a afirmação de que o aumento do salário mínimo nacional “não era uma prioridade” para a maioria, quase passou despercebida na opinião pública.

Os salários em Portugal são em regra dos mais baixos de toda a Europa, exceptuando-se os grandes cargos de gestão das grandes empresas nacionais. Neste momento já estamos na competição com a Roménia, o que não é um bom cartão de visita para a maioria que sustenta o governo.

Podia salientar que o governo tem como prioridade a médio prazo, disse-o o ministro, diminuir o IRC, e até já existe uma comissão para criar uma nova tributação mais leve, onde pontua um ex-deputado do CDS com ligações conhecidas a grandes empresas.

Claro que nada descreve tão bem as prioridades deste governo como a “ajuda” ao BANIF, que foi decidida com a maior celeridade, sem sequer serem conhecidos os contornos da operação, que envolve uma quantia superior a mil milhões de euros.



6 comentários:

Anónimo disse...

Estes desgovernantes são lacaios do capital e as pessoas são apenas máquinas de trabalho e de exploração.
Este é o ano em que vamos derrubar esta malta.
Lol


AnarKa

Pata Negra disse...

Não conseguiram baixar a TSU à custa da contribuição dos trabalhadores para a SS, baixam agora o IRC mas à custa de quem??! Queres ver que vão pedir dinheiro ao BPN e ao Banif para compensar a diminuição de receita do IRC!

Um abraço baralhado com as contas destes gajos

São disse...

Tudo quanto este grupo de escroques que grande parte do "melhor povo do mundo" escolheu é de bradar aos céus.

Mas ainda há quem apoie o actual Governo e até quem defenda Cavaco!!!

Bom ano

elvira carvalho disse...

Segundo ouvi na TV, o governo vai dar dinheiro ao Banif que este vai utilizar na compra de divida publica do governo. Jogatanas politicas.
Um abraço e bom Domingo de Reis.

Donatien disse...

E são bem capazes de ordenadar à CGD que empreste dinheiro aos franceses para pagarem a ANA.

maceta disse...

tantas hão-de fazer que o tiro sair-hes-à pela culatra.

abraço