quinta-feira, julho 05, 2012

RETROCESSO CIVILIZACIONAL

Quando ouvia esta tarde uma senhora deputada do CDS dizer que a despenalização do aborto não tinha sido um avanço civilizacional, mostrando-se contra a interrupção voluntária da gravidez dentro dos prazos legais, fiquei a pensar que ainda há muita gente neste país que não conhece a realidade da miséria que infelizmente aumenta neste país. 

O que faria a senhora deputada caso recebesse o salário mínimo nacional e tivesse o marido desempregado, e tivesse a azar de engravidar? É que a prevenção da gravidez existe, mas nem é infalível nem é seguida à risca por uma parte das mulheres desfavorecidas. Podia até invocar as razões religiosas, já que a senhora deputada é dum partido onde militam bastantes católicos, que seguem à risca (?) os ensinamentos da igreja. 

Penso que o argumento mais apropriado é o que resulta da análise de uma notícia que divulga o facto de terem diminuído no primeiro semestre deste ano, pelo menos 4 mil nascimentos, relativamente ao ano anterior. As razões são óbvias, e resultam das medidas de austeridade impostas por este governo, onde pontua o CDS. 

Não há ninguém, muito menos uma mãe, que possa sentir satisfação com um aborto, mas há bastantes circunstâncias que podem levar uma pessoa a tomar essa penosa decisão, e não serei eu que lhe atirarei a 1ª pedra. As alternativas são todas piores, quer seja o abandono puro e simples, quer seja o aborto clandestino. 

O que seria para a senhora deputada um avanço civilizacional nesta matéria, com as condições actuais em que (mal) sobrevivem muitas famílias? 

PINTURA
CARTOON

2 comentários:

Anónimo disse...

Bem sabes que o tema é melindroso, mas de facto enerva ver que há gente que não compreende como as dificuldades afectam as decisões das pessoas.
Bjos da Sílvia

Metalurgia das letras disse...

Estão a abortar as pessoas dos seus direitos primordiais. Viver sem emprego e salários dignos é um "retrocesso civilizacional". As famílias são abortadas das suas dignidades, ficando a mercê de favores até para terem filhos. "Triste época" Alguém já disse isto!