segunda-feira, agosto 15, 2011

AS FARPAS

O país perdeu a inteligência e a consciência moral. Os costumes estão dissolvidos, as consciências em debandada, os caracteres corrompidos. A prática da vida tem por única direcção a conveniência. Não há princípio que não seja desmentido. Não há instituição que não seja escarnecida. Ninguém se respeita. Não há nenhuma solidariedade entre os cidadãos. Ninguém crê na honestidade dos homens públicos. Alguns agiotas felizes exploram. A classe média abate-se progressivamente na imbecilidade e na inércia. O povo está na miséria. Os serviços públicos são abandonados a uma rotina dormente. O desprezo pelas ideias aumenta em cada dia. Vivemos todos ao acaso. Perfeita, absoluta indiferença de cima a baixo! Toda a vida espiritual, intelectual, parada. O tédio invadiu todas as almas. A mocidade arrasta-se envelhecida das mesas das secretarias para as mesas dos cafés. A ruína económica cresce, cresce, cresce. As quebras sucedem-se. O pequeno comércio definha. A indústria enfraquece. A sorte dos operários é lamentável. O salário diminui. A renda também diminui. O Estado é considerado na sua acção fiscal como um ladrão e tratado como um inimigo.

In As Farpas (edição de Outubro 2004), Maio de 1871

Nota: As Farpas foram um novo conceito de jornalismo, com ideias, de crítica social e cultural.



FOTOGRAFIA
As estátuas estavam ali mesmo à mão, e vai daí o Zé, com comichão no dedo, disparou e fixou as imagens que aqui vos deixo.



CARTOON


5 comentários:

tulipa disse...

As mãos que não ficam quietas
e...fervem os dedos
por disparar
o clic da máquina

Gostei das fotos das "estátuas"

será em Cascais?

pois...essas não as vi. porque adoro fotografar estátuas,
nenhuma me escapa

obrigado pela partilha

Abraços.

Isamar disse...

Pois é, amigo, as crises de valores, económica, social e política não são de hoje, são cíclicas, mas esta vivemo-la nós e sentimo-la na pele. Depois, o desenvolvimento dos media permite que saibamos, em simultâneo, o que grassa pelo mundo e ainda ficamos mais abatidos, deprimidos,
desencorajados para continuar. Não podemos, porém, deixar-nos afectar a ponto de perdermos a força que os nossos mais jovens merecem e precisam para que o seu futuro seja melhor.
Ramalho Ortigão, Guerra Junqueiro e muitos outros descreveram na perfeição " o retrato" do seu/nosso País no seu tempo, não muito longe deste.

Bem-hajas, pelo texto, pelas fotos, pelo cartoon.

Abraço fraterno

José Sousa e Silva disse...

Muito bem, meu Caro Amigo !!!
Apenas acrescentarei que, enquanto isso, a NAÇÃO esmorece ...

Zé Povinho disse...

Cara Tulipa, as estátuas estão em Cascai, uma ao lado da Cidadela e a outra no pontão dos barcos de pesca.

Isamar, ando a reler As Farpas e escolhi uns quantos excertos que irei colocando por aqui quando não me apetecer escrever sobre a actualidade.

José, esmorecer não resolve as coisas, e é por isso que temos que acordar nas pessoas o dever de intervir cívica mente.

Abraço do Zé

Isamar disse...

Passei só para um pequeno esclarecimento. O Alfazema Azul existe mas o link de acesso foi alterado. Agora é: http://alffa-zemma.blogspot.com/

Bem-hajas!

Abraço fraterno

p.s. Há muito que deixei de escrever sobre a actualidade, que me deixa deprimida, mas leio-te com muito gosto quer os excertos, muito bem seleccionados, quer os outros posts.
Continua!
Bem-hajas!