segunda-feira, junho 13, 2011

MUDAM-SE OS TEMPOS…

Mudam-se os tempos e mudam-se também os discursos políticos, o que não será uma grande admiração para muitos mas será uma surpresa para os mais novos.

Há alguns anos atrás, a geração de políticos de então que hoje são os barões e baronetes da nossa sociedade, e alguns que ainda fazem uma perninha na política, diziam que Portugal era um país demasiado pequeno, e que só cresceria e se modernizaria no seio da comunidade europeia. A CEE era a salvação do país que acabara de perder as suas colónias e a sua única saída era a Europa.

Deixámos de produzir imensas coisas, e muito diligentes os nossos políticos acharam que receber dinheiro para deixar de produzir muitos produtos agrícolas, ou para se deixar de pescar era bom para o país.

Agora os discursos dos mesmos senhores são diferentes, o consumir português é premente e repetem-se vezes sem conta os incentivos ao retorno à terra e ao aumento da produção industrial.

Os nossos políticos têm sempre uma visão a muito curto prazo, e acabados os subsídios vindos de fora lá se lembram de que é preciso produzir cá dentro mais do que aquilo que se importa, porque se isso não acontecer aumentam as dívidas. Será que aprenderam alguma coisa?


CARTOON


FOTOGRAFIA
By Palaciano

6 comentários:

Anónimo disse...

Não se se as vontades mudam, ou se pelo contrário apenas mudam as palavras.
Bjos da Sílvia

elvira carvalho disse...

É amigo, agora até já se distribuem pequenos pedaços de terra pelas pessoas para incentivar a agricultura. Pena que tivéssemos que bater no fundo para alguns senhores perceberem isso.
Um abraço e uma boa semana

Daniel Santos disse...

parce que não.

Pata Negra disse...

Nesse ponto, nestes últimos dias, o descaramento de cavaco brada aos céus! o tipo não tem mesmo vergonha na cara!
Um abraço do campo

opolidor disse...

diria que é preciso ter lata para dizer que se deve fazer agora o que se impediu anos atrás - um país não pode ser um banco de ensaios.
abraço

conceição fernandes silva disse...

opolidor disse e com toda a razão