quarta-feira, setembro 01, 2010

AS ESTATÍSTICAS

Temos um senhor secretário de Estado que não gosta de algumas estatísticas do Eurostat, em particular das do desemprego que segundo ele são de 10,6 % e não 10,8 %, como diz aquela entidade da União Europeia.

Valter Lemos não devia preocupar-se com os 0,2 % de diferença entre os resultados do INE e os do Eurostat, porque é ridícula tendo em conta a grandeza do desemprego.

Já agora, podemos lembrar que também lemos que os níveis de confiança, em Portugal, estão a melhorar (?), apesar de se registar agora uma maior inflação do que a da média europeia, resultado que a nós nos causa muita estranheza.

Estaremos mesmo mais confiantes? Com a economia no estado em que está, com o desemprego ainda a aumentar e com os salários a decrescer? Elucide-nos senhor secretário de Estado.



FOTOGRAFIA
By Palaciano

CARTOON

6 comentários:

Anónimo disse...

Escolhem as que lhes agradam e mandam para baixo do tapete as outras. Esse gajo é um cromo com créditos na praça
Bjos da Sílvia

São disse...

Em vez de se preocupar com ridicularias decimais, seria óptimo que tentasse resolver o imenso drama de quem está sem emprego, isso sim!!

Abraço.

elvira carvalho disse...

Também acho que é ridiculo preocupar-se com as 2 décimas. A preocupação devia ser com os 10,6 restantes.
Um abraço amigo.

Kássia Kiss disse...

Temos governantes tão atentos...
Devem examinar as estatísticas todos os dias com uma lupa!
"Olha um 0,1%!"
"Eu encontrei aqui um 0,01%!"
"Onde? Onde?"

Deve ser uma espécie de passatempo...

Daniel Santos disse...

os números são apenas uma questão simples, duro são os ilhares que estão no desemprego.

ANTONIO DELGADO disse...

O real sobre o desemprego, como as bichas dos centros de emprego e as empresa a fechar não enganam, como não engana ver, no espaço das carnes nos supermercados, a procura de asas de frango e miudezas de aves, porque o orçamento familiar não dá para mais. Sobre os pontos de vista social e humano é muito grave, mas ver um politico falar de décimas, sobre o desemprego é deploravelmente obsceno e socialmente muito perigoso.