terça-feira, outubro 20, 2009

SINAIS PREOCUPANTES

É sintomático que um dos chefes patronais venha dizer que os ordenados mínimos em Portugal deviam ficar congelados em 2010, porque ele é sem dúvida o modelo dos seus apoiantes. Corte-se nos ordenados mais baixos (os mínimos) porque esse é o único factor de produção que faz com que os preços das nossas mercadorias não sejam competitivos.

Quando na semana passada se anunciou o aumento dos combustíveis e da energia eléctrica, é bem indicadora da capacidade do nosso patronato esta preocupação, como se os salários em Portugal fossem superiores aos da UE e os combustíveis e a energia eléctrica fosse mais cara nos nossos parceiros europeus.

Eu, ao contrário do retrógrado senhor Miguel Sousa Tavares, não me sinto saloio nem provinciano, nem faço parte do terroristas de que a Internet é depositária, mas resolvi juntar o nome do personagem a este comentário.

Talvez pareça estranho a muitos, mas ele é que é um ferrenho caçador, daqueles que por acidente já causaram 5 mortes desde o início da época, por isso devolvo o termo de terrorista, o de saloio e provinciano também é devolvido pela defesa da Maitê e ainda por ter escrito sem a devida crítica, que existem trabalhadores “importados” no Alentejo que trabalham do amanhecer ao anoitecer, mas que mais não são do que mão-de-obra barata, sem direitos e sem liberdade, como poderá comprovar perguntando isso mesmo aos poucos que dizem uma palavra em português.

Com tantos elogios à exploração de seres humanos, que noutras épocas significava pura escravatura, começo a pensar que há muita gente que prefere ignorar que o seu bem estar deriva de factores que têm vergonha de denunciar e pronunciar.



*** * ***
FOTOGRAFIA
ValeKo

*** * ***
CARTOON
Alesandro Gatto

Valerio Kurtu

7 comentários:

Ferreira-Pinto disse...

Não deixa de ser sintomático que esses alarves (pois que não têm outro nome) se sintam de tal modo impunes e à vontade que se permitam dizer as maiores barbaridades e terem eco e aceitação!

O dito patrão dos patrões, na sua estupidez, mostra ainda uma outra coisa bem perversa e muito habitual entre nós: os contratos só se respeitam quando dá jeito; quando não nos dá jeito, tentam-se impugnar, renegociar ou entra-se em simples incumprimento.

Mais a mais, e quando o tal senhor se saiu com essa barbaridade, um jornalista digno desse nome tinha-lhe perguntado, assim de rajada se ele sabe o valor do salário mínimo nacional. Como o cavalheiro diria, pimpão e gingão que sim, seguidamente perguntar-lhe-ia quanto custa um quilo de arroz, um quilo de carne de vaca, uma pasta dos dentes, um desodorizante, um rolo de papel higiénico e um metro cúbico de água!

Aposto que, no mínimo, o tipo perdia o pio ...

Meg disse...

Zé,

Esta gente sabe lá o valor do dinheiro!
Estou indignada, pois claro!
Um dia destes só falta colectar os sem-abrigo, ora bolas!
E depois querem que a gente leve a sério estes "patrões da indústria".
Já não nos bastam os políticos...
Irra!!!

Um abraço

Spectrum disse...

O povo é sereno e...burro! Quando têm oportunidade de mudar pelo voto, dão-no aos mesmos de sempre.
Abraços

Anónimo disse...

Depois dos romenos agora são os tailandeses, e creio que o amigo o sabe bem como o Miguelito que recebe umas garrafitas do néctar de herdades de amigos onde trabalham muitos desses "escravos contratados".
Lol

AnarKa

elvira carvalho disse...

Este senhor está cada vez pior.
Quem é que ele se julga?
Quanto ao patronato é verdade eu também ouvi. E subscrevo o que diz. Tudo pode aumentar, a electricidade dizem vai ter um aumento brutal.
Um abraço

Marreta disse...

Esse tal Van Zeller precisa é de va(n)zelina!

Saudações do Marreta.

baby bedding disse...

It's a very nice and informative blog.. keep posting.. thanks.