sexta-feira, maio 15, 2009

RAPIDINHAS

Novas Tecnologias – Ontem ouvia-se dizer que o Magalhães, pela mão de José Sócrates, ia enfim chegar à Madeira. Não percebi bem que um 1º ministro se tenha que deslocar à Madeira para distribuir umas máquinas destas, mas isto sou eu.

Hoje, e para meu espanto, leio que já há mais de 8 mil Magalhães na Madeira, e José Sócrates desloca-se para distribuir mais 200 no Funchal. Curioso!

Pressão – Já nem sei o que pensar do caso Freeport, tal é a barafunda de casos paralelos que têm vindo a lume, ligações estranhas entre “suspeitos” e coincidências no mínimo improváveis. Na minha óptica, e a serem verdadeiras as frases conhecidas, é claro que houve pressão, mas a experiência diz-me que tudo isto vai dar em nada, como acontece com todos os processos que envolveram pessoas importantes neste país.



*** * ***
FOTOGRAFIA
GynG

Индия: богатство Махалакшми

*** * ***
HUMOR


Deixa-te de teatros, Narigudo!

7 comentários:

Marreta disse...

Então vai distribuir mais daquelas coisas que provocam míopia de forma a pôr os madeirenses a ver mal e aasim votarem PS nas próximas eleições?!

Saudações do Marreta.

ana p roque disse...

O Sócrates gosta muito de viajar
com o magalhães,são grandes amigos.
Os cartoons como sempre,muito bons.

A flor de Lótus,uma maravilha da natureza,grande simbolo Oriental,a outra igualmente lindissima,de tão singela,quase une o céu e a terra.


cumps

Anónimo disse...

Será que os dois vão fazer as pazes? Afinal há quem fale do bloco central, que é isto mesmo.
Lol

AnarKa

Pata Negra disse...

Já chegámos à Madeira!
Magalhães

Meg disse...

Zé,

Às vezes tenho a impressão de que vivemos num grande circo... só dou conta de malabaristas, equilibristas, ilusionistas...
Como tu dizes... mas isto sou eu a sentir.

Um abraço

Anónimo disse...

Sem o recurso ao Magalhães e sem a pressão política, informo que a tua Académica vai de boa saúde e recomenda-se.
Bjos da Sílvia

ANTONIO DELGADO disse...

Já não suporto ouvir falar do Magalhães.

sobre a confusão como designa no caso do Freeport, essa é grande questão, mas penso que os cidadãos já não acreditam na justiça, porque efectivamente não há .A justiça é mesmo considerada por alguns como o principal pilar da democracia (Rawls). Ora como se tem "psicologisado" muito o caso , com tantas perguntas e duvidas no ar para afinar a responsabilidade, parece que a noção da responsabilidade juridica é posta em causa e perde-se o objectivo. Parece que a instauração do 25 de abril , segundo alguns especialistas, instalou uma dinamica de entraves que dão força a inercias e lentidões pelas quais de pode duvidar se realmente existe uma verdadeira dinamica jurica...
Um abraço