segunda-feira, março 02, 2009

CAMPANHA NEGRA E CAMPANHA ROSA

Enquanto José Sócrates se entregava à tarefa de tentar manter o poder, começando pelo seu próprio partido, lá fora a Europa discutia em conjunto medidas para enfrentar a crise económica.

A campanha rosa prometia ser triunfal, também não havia sequer um adversário na contenda, e com um cheirinho de vitimização pela campanha negra em que teima o PS, a que o apagão deu um toque humorístico, transformaram o fim-de-semana no arranque perfeito da campanha eleitoral, o que uma reunião informal da União Europeia não permitia com toda certeza.

Mas se cá dentro alguma coisa se podia amealhar em termos eleitorais, lá fora discutiam-se medidas de combate à crise, e neste campo foi curioso verificar que Teixeira dos Santos pouco adiantou, porque nem o PS tinha previsto nada contra os offshores, nem tão pouco tinha anunciado medidas concretas de fiscalização do sistema bancário, que agora foram decididas pela UE. José Sócrates ainda tentou enfiar uma bucha no seu discurso, mas já se conhecia o que tinha sido decidido pelos parceiros europeus.

Ficou claro que Sócrates não tem peso na Europa, que o directório dos grandes dita as suas leis, mesmo sem o Tratado de Lisboa, e que o Governo não age no combate à crise, reagindo apenas em conformidade com o que a Europa decide. As regras e a fiscalização agora anunciadas, vão trazer à baila os casos do BPN, do BPP, e da actuação da CGD, e aqui estará situado o maior embaraço de José Sócrates nas próximas semanas.



*** * ***
CARTOON


*** * ***
FOTOGRAFIA
Apple by Hiilda

The Blue by Hiilda

7 comentários:

Pata Negra disse...

Tanta tecnologia, tanta tecnologia e afinal bastou o disparo de um simples disjuntor tornar a noite negra! Afinal há jornalistas que também percebem de electricidade!
Pobre cidade de Espinho, acabou de sair do mapa da Europa!
Um abraço sem shows

Pata Negra disse...

entre o disjuntor e o tornar falat um "para" - mas para quê?! o "para" faz falta é para os mandar merda

Cata-Vento disse...

O protagonismo na campanha rosa era incomparavelmente maior e tudo há que fazer para rumar à vitória.
O tempo passa a correr para quem quer manter uma tal maioria conseguida há quatro anos.
Há sempre quem vá nessa mas eu não vou por aí. E muitos mais!

Um abraço

Anónimo disse...

Um segundo mandato desse narigudi seria sempre pior do que o primeiro, e esse já foi péssimo.
Por mim, vá plantar batatas, que para isso não é preciso comprar nenhum canudo.
Lol

AnarKa

Jorge P.G disse...

Ele dribla todos os embaraços.
Se eu fosse dono de uma empresa de electrodoméstidcos dava-lhe o posto de Director de Vendas de frigoríficos no Alasca. O homem nasceu para ser um Grande Propagandista, há que reconhecê-lo.
E, a propósito, onde estaria ele no 25 de Abril?

Um abraço.

ana p roque disse...

Autêntica palhaçada,o homem agora
quer emitar o Barak Obama!
Nem de longe,nem de perto!
Excelente semana.
Abraço.

Ferreira-Pinto disse...

No actual contexto, nenhum dos estados membros ditos pequenos tem qualquer margem de manobra para ditar o que quer que seja ou influenciar o que seja.

Aliás, o directório dos ditos grandes (especialmente o tandem Alemanha/França) tem até silenciado a Comissão, presidida por um Durão Barroso que tem mostrado, nestes tempos, ser outro ser titubeante!