terça-feira, dezembro 09, 2008

MUSEUS – MODELOS DE GESTÃO

Não passaram despercebidas as declarações de Pinto Ribeiro ao Público quando disse que os museus precisam de gestores. É evidente que qualquer organização onde se investe dinheiro e que por sua vez gera também verbas, tem obrigatoriamente de ser bem gerida, e os museus, palácios e monumentos não são excepção. O que está em causa é precisamente o modelo de gestão que se pretende para o Património nacional classificado.

A reacção do ministro da Cultura ao desafio lançado pelo director do Instituto dos Museus e da Conservação (IMC), através de um texto na revista Museologias.pt, é que nos deixa com algumas apreensões e dúvidas.

Para começo de conversa, «o Ministério da Cultura está aberto à discussão de todo o tipo de gestão dos museus nacionais, seja público, privado ou misto… o importante é que haja uma gestão competente e rigorosa». Ora vejamos então, estaremos dispostos a entregar os museus, palácios e monumentos nacionais à iniciativa privada, ou queremos que estes equipamentos culturais continuem na esfera pública, evidentemente bem geridos? Todos julgava-mos que o Ministério da Cultura estava a gerir bem os serviços tutelados, mas Pinto Ribeiro não está crente disso.

O acordo que o MC estabeleceu com o Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE), e as oito pessoas indicadas para frequentar um curso de pós-graduação para gestão de equipamentos culturais e criativos, com o intuito de formar gestores, também não convence, porque ficámos sem saber quem são os escolhidos, e qual a sua formação de base, ou o conhecimento real que têm da realidade dos museus nacionais.

Se bem me recordo, já com este Governo de José Sócrates, uma directora do maior museu nacional, o de Arte Antiga, foi afastada por preconizar uma gestão mais racional e descentralizada dos museus, focada nas realidades de cada serviço, o que não agradou mesmo nada à tutela, apesar dos bons resultados apresentados por essa directora. Também está bem presente na memória a entrega da gestão do Palácio Nacional da Pena a uma sociedade anónima de capitais públicos, que levou ao inflacionamento dos preços de entrada, que são neste momento o dobro dos praticados nos restantes palácios e monumentos, e que para 2009 deverão aumentar para 15 euros por pessoa, segundo consta.

Não é aceitável que a gestão privada tenha que ser melhor do que a pública, desde que os instrumentos e os meios sejam os mesmos, e aqui entra um outro factor que depende da política e dos políticos, que se prende com os orçamentos consignados, com os objectivos estabelecidos para cada serviço e com as pessoas a quem é entregue a direcção dos mesmos.

Com a gestão dos museus, palácios e monumentos centralizada nos institutos que os tutelam, como se verifica actualmente, não se vai a parte nenhuma. Sem o investimento necessário na conservação dos edifícios e das colecções, nunca alcançaremos patamares de qualidade aceitáveis. Sem pessoal suficiente, devidamente formado e integrado, não se pode atender devidamente o público nem garantir a integridade do Património.



*** * ***
ARTE DIGITAL
New skull by Flatau

Crossroads by anandgandhi

*** * ***
CARTOON

7 comentários:

Anónimo disse...

Privatizar para dar lugar aos protegidos e dinheiro aos concessionários, e quando as coisas ficarem pretas, lá está o Estado para injectar o cacau, que os privados não estão cá para investir em Cultura.
Lol

AnarKa

Ferreira-Pinto disse...

Isto quando na coisa pública começam a falar em meter gestores, normalmente dá asneira!

Tiago R Cardoso disse...

a gestão privada destes espaços não é evidentemente mais positiva.

O problema é que não se forma gestores e outros quadros de forma a que eles façam um bom serviço.

Depois alegam que com gestão privada se consegue melhores resultados.

SILÊNCIO CULPADO disse...

Zé Povinho

Negócio e cultura são realidades que, a misturarem-se, se tornam promíscuas.
E nós sabemos, por experiência, o que significa privatizar nestas circunstâncias.

Abraço

Anónimo disse...


Tu sabes bem o que se passou e passa com as contas dos Parques de Sintra, e quem está desde o começo envolvido nessa tramóia ruinosa. Pois é isso mesmo que se está a preparar, com os Coches (lembra-te de onde veio o Pintaínho), e com os monumentos de Coimbra, que já Lacrimejam, pela ajuda do Judicioso (sabes bem de quem falo, o do BPP).
Bjos da Sílvia

Marreta disse...

Privatizar um serviço público de cultura, como é o caso de um museu, não me parece boa solução, bem assim como serviços públicos de saúde. Gestores bons e maus existem no sector público e privado e modelos de gestão idem.
A questão primordial, quanto a mim, é que ao entregar-se a gestão a um privado, em primeiro lugar estará sempre o lucro a qualquer custo em detrimento de outros factores igualmente importantes.

Saudações do Marreta.

Jorge P.G disse...

Creio que no fi«undo o que pretende este governo é, também aqui, aligeirar responsabilidades e investimentos deixando aos privados a gestão de boa parte do património.
Digamos que é, na realidade, uma venda do mesmo a prestações.

Mas pode ser ideia errada, já que não estou dentro do assunto.

Um abraço do Sineiro.