sexta-feira, dezembro 05, 2008

CRISE DOS RICOS

Recebi um amável mail de um economista, que se debruçou sobre os meus textos e procurou rebater algumas das minhas ideias. Eu não sou economista de formação, nem tenho qualquer pretensão nessa área, mas como qualquer outro cidadão, governo a minha casa e tenho o direito de exprimir opiniões.

Não desprezo a importância das instituições bancárias, e antes desta crise só me lembro de criticar a nossa banca pelo grande diferencial entre os juros pagos aos depositantes e os juros cobrados pelos empréstimos, e isso era um facto bem comprovado, bastando ir aqui ao país vizinho para o poder constatar.

A minha discordância absoluta com o leitor em causa, é precisamente sobre o caso BPP, e deve-se à natureza do seu negócio principal, que não é o que se tipifica como de banco comercial. A gestão de carteiras e de fortunas enquadra-se numa actividade de maior risco, e baseia-se sobretudo naquilo que é corrente chamar-se o jogo da bolsa.

Como a razão maior aduzida pelo senhor economista, era a do risco sistémico e a imagem do país, devo dizer que nem o BPP tinha dimensão relevante para ser um problema, nem a sua falência afectaria a imagem de Portugal. Começando pela imagem de Portugal, então afirmo com toda a certeza e fundamento, que as falhas do regulador são mais danosas para o país do que a dita falência.

Para além desta discordância de fundo, que traduzida em números é uma relação de 3.000 clientes para um aval do Estado no valor de 450 milhões de euros, temos ainda um facto que tem passado ao largo de todas as análises, que é o aumento do défice externo, que todos evitam abordar por algum obscuro motivo.



*** * ***
FOTOGRAFIA
Dark Miss

Олег В

*** * ***
CARTOON ECONÓMICO

14 comentários:

Ludo Rex disse...

Eles engordam e nós cada vez pior... Não sei onde iremos chegar.
Um Abraço

Anónimo disse...


Meu lindo, eu também não percebo nada de bancos e economia, mas com os bonecos que escolheste, para mim ficou tudo muito claro. As flores também são lindas.
Bjos da Sílvia

São disse...

Aplausos , de pé!
O senhor economista não achará, por acaso, também muito mau para a imagem do país a subida em flecha do desemprego e das falências e das pessoas a passar mal?!
Bom fim de semana.

Ferreira-Pinto disse...

Os economistas são tidos por serem excelentes a arranjarem explicação para tudo em tempos de abundãncia; mas quando a crise aperta ou se avizinha, então aí sim é que eles se esmeram ... normalmente passa sempre por alegarem que os outros não ouviram nem entenderam bem o que eles antes disseram!

Anónimo disse...

Bastavam as imagens para responder ao economista, e também aos especialistas de direito que encontraram suporte legal para o aval indirecto ao BPP.
Lol

AnarKa

FERNANDA & ASTROLOGIA disse...

Querido Zé, venho desejar-te um bom fim de semana...Beijinhos de carinho e ternura,
Fernandinha

A. João Soares disse...

Mais do que a eventual falência do BPP, ou de outra instituição exploradora, com o único fim de obter lucros, a IMAGEM DE PORTUGAL é mais prejudicada pela diferença de proventos entre um trabalhador com o salário mínimo e os recebimentos directos e indirectos de um administrador de um BPP ou outro. Repare-se no curto prazo em que os ex-administradores do BPN criaram grossas fortunas.
É preciso lata desses indivíduos que, para defenderem os seus interesses e dos amigos, alegam a IMAGEM DE PORTUGAL, eles que não pensam nos interesses nacionais mas apenas naquilo que podem ganhar, legal ou ilegalmente.
Abraços
João

SILÊNCIO CULPADO disse...

Zé Povinho

São muitas as teorias económicas e ainda mais as leituras. A questão não está na economia mas nos objectivos que se pretendem e dos interesses que se defendem.
Ainda somos livres para pensar, não? E também para exprimirmos o que pensamos? Pois então o teu último cartoon responde cabalmente ao mail do teu amigo economista.

Abraço

Tiago R Cardoso disse...

o que se espera é que os responsáveis de tão grande gestão, BPN e BPP sejam realmente encontrados.

Meg disse...

Amigo Zé,
Nem imaginas como estou com pena dos senhores do BPN!
Mas os que me comovem a valer são os do Banco Privado.
E os economistas que vão bugiar, não há pachorra!

Um abraço da Meg

martelo disse...

gosto muito em especial da ampulheta...

cumprimentos da plebe

Sophiamar disse...

Apaudo-te de pé, amigo. Tu não és especialista de economia mas percebo-te muito bem. Outros há, que o sendo, por mais que discursem continuo sem entender. Quanto a esta dos bancos fiquei de boca aberta. Não há dinheiro? E aqueles milhões todos de onde vieram? E o défice externo terá diminuído?
Vai falando Zé, vai dizendo o que pensas que isto, por enquanto, ainda é democracia. Ou não?
Abraço

adrianeites disse...

não venho aqui fazer de advogado dos economistas, até porque não sou economista..

sou contabilista, tive várias cadeiras de micro e macro, é uma área que está no meu quotodiano e por isso escrevo aqui qq coisa...

Acho que se está aqui a empolar muito as coisas...

Efectivamente o BPP não é um banco comercial;
Efectivamente não faz sentido que o comum dos depositantes tenha assegurado os seus depositos a prazo ate €100.000 e que os depositantes do BPP tenham assegurado a totalidade dos mesmos...
o erro do parágrafo anterior é daqueles erros que aocntecem sempre...é certo..

O consórcio de bancos que entrou neste processo de salvamento avaliou os activos do bPP e achou que seria exequivel a salvação do banco. claro está que têm a garantia do estado, no entanto a garantia é paga..
Podem agora os bloggers questionar que os activos do BPP são activos financeiros/bolsistas e que podem de um momento para o outro desvalorizarem ou mesmo entrarem em colapso, mas a banca tranalha com o risco...

Imaginem o que seria o BPP e se O BPN falissem...

As empresas portuguesas necessitam de financiamento como de pão para a boca.. para além disso o impacto na economia real, os investidores estrangeiros iriam retrair-se... enfim...

Papoila disse...

Querido ZÉ Povinho:
Muito bom este artigo em que o principal problema está muito bem colocado. Afecta muito mais a imagem do país a cegueira da Entidade Reguladora que a falência de um Banco de especulação...
Os cartoons muito bons... a ampulheta é fantástica.
Beijos