terça-feira, agosto 26, 2008

POBRE CULTURA

Qualquer cidadão mais ou menos atento já se apercebeu de que nos últimos anos “a fatia” do Orçamento de Estado destinado ao Ministério da Cultura tem vindo a diminuir na última década, e agora já é conhecido o corte para o próximo ano, que será de 24,5% na atribuição de verbas para este ministério.

Podia começar a dizer que as promessas de atingir os míticos 1% de dotação para a Cultura nesta legislatura, previstos no programa deste governo, foram um embuste, mas estaria a dizer o óbvio, que aliás ninguém, nem mesmo do governo veio negar.

Algum tempo depois de tomar posse, o senhor ministro da Cultura veio afirmar que pretendia fazer mais com menos dinheiro, e logo apareceram alguns que disseram que ia cortar no desperdício e outros que era o sufoco completo do sector. Os idealistas, que pensavam que haviam milagres de gestão só porque se alterava o ministro ficaram desiludidos, e os que conhecem o meio viram os seus receios quanto à penúria de meios, confirmarem-se.

Mas terá sido esta a razão da escolha deste ministro? Não creio, e podia voltar a tempos recuados para recordar que, ainda nos tempos em que estava na área do Ambiente, José Sócrates contribuiu para a criação da Parques de Sintra – Monte da Lua, e com isso saíram da esfera do Ministério da Cultura o Palácio Nacional da Pena e o Palácio de Monserrate. Mas também posso relembrar coisas mais actuais, como o plano da zona ribeirinha de Lisboa e o anúncio da construção do novo Museu Nacional dos Coches, feito por Manuel Pinho (?), e os rumores de que alguns museus e monumentos dessa zona também irão sair da esfera do Ministério da Cultura. Já agora, e porque também já é muito falado, Santa Clara a Velha continuará sob a actual tutela? Quais os planos para os monumentos, Mosteiro da Batalha, Convento de Cristo e Mosteiro de Alcobaça?

Não se conhecem as intenções reais do governo, mas com este desinvestimento anunciado começamos a acreditar que não há fumo sem fogo, e que o esvaziamento do Ministério da Cultura está em marcha só que não divulgam as reais intenções.





*** * ***
CARTOON
Rodrigo

Bruno Taveira

11 comentários:

Anónimo disse...


Também fui investigar a zona ribeirinha, e tens razão quanto às intenções, está tudo nos projectos, e também fui à procura da tal rota dos mosteiros ou coisa que o valha, e também se confirma que ela vai existir não havendo ainda mais pormenores. Depois de Sintra, é óbvio que o processo se vai espalhar, mas as contas dos Montes da Lua estão envoltas em polémica e apesar de ainda não ter dado bronca, há detalhes por explicar e suculentos pelo que pude apurar.
Sta Clara e Qta das Lágrimas também se fala mas não há nada palpável por enquanto.
Bjos da Sílvia

SILÊNCIO CULPADO disse...

Zé Povinho
Pobre País e pobre cultura que só se realizam através de projectos rentáveis economicamente.Por este andar até o Mário Lino.... cala-te boca!

Olha gostei dos cartoons e em especial do preso em part-time.

Abraço

Tiago R Cardoso disse...

"pretendia fazer mais com menos dinheiro", não sabia que o senhor ministro também fazia milagres... se calhar é isso, tem umas vocação de milagreiro.

adrianeites disse...

chama-se a isso prioridades erradas...

cump's

Anónimo disse...

Um povo culto é incómodo, como tal...
Lol

AnarKa

Jorge Borges disse...

A Cultura anda a ser esvaziada de sentido desde que o poder fez uma aliança indestrutível com o neoliberalismo dominante. Não sendo rentável, pouco interessa aos sucessivos governos desta democracia "representativa". Será porque interessa manter o povo numa espécie de torpor a-cultural, para que se mantenha a-crítico? Prolongando assim esta forma de governação economicista?

Um abraço

C Valente disse...

só os cartoons, vale tudo, em poucas palavras transmite muito
Saudações amigas

Maria disse...

É para mim uma tristeza verificar que a cultura continua a ser o parente pobre do desenvolvimento e da democratização da nossa sociedade. Associo-me ao teu protesto, é imoral a quebra de investimento. Como poderão as pessoas ter acesso pertinente à informação sem armas para a filtrar e comparar, sem critérios desenvolvidos em liberdade, sem uma estrutura de pensamento alargada e aberta? Mal anda a gestão da "coisa pública", meu amigo. Um abraço.

São disse...

Desculpem, mas vocês estão a falar de quê?!
É que para mim, cultura é algo inexistente no nosso país...
Tudo de bom.

peciscas disse...

O outro disse "quando ouço falar de cultura puxo da pistola".
Estes dirão:
"Quando ouço falar de cultura puxo da tesoura".

tulipa disse...

Xamuar Zé

Passei agora num blog de família e encontrei por lá estes dizeres:
..."Costumo passar por lá para ver os barcos, vamos ver se este ano consigo uma aberta também.
Abraço do Zé"

Ora bem, nã sabia o amigo aqui tã perto...seria interessante se vier cá este ano, nós nos encontrarmos, quem sabe ainda nos conhecemos de terras de África...
que acha da inha ideia?
Eu gostaria.
Pronto, já fiz a minha parte, disse o meu parecer, agora é consigo, o que decidir está decidido.

Ah, muito obrigado pelas palavras que deixou no post sobre a Beira.
Beijinhos.