domingo, julho 20, 2008

SINTRA

«Ao volante do Chevrolet pela estrada de Sintra,

Ao luar e ao sonho, na estrada deserta,

Sozinho guio quase devagar, e um pouco

Me parece, ou me forço um pouco para que pareça,

Que sigo por outra estrada, por outro sonho, por outro mundo,

Que sigo sem haver Lisboa deixada ou Sintra a que ir ter,

Que sigo, e que mais haverá em seguir senão parar mas seguir?

Vou passar a noite em Sintra por não poder passá-la em Lisboa,

Mas quando chegar a Sintra, terei pena de não ter ficado em Lisboa.

Sempre esta inquietação sem propósito, sem nexo, nem consequência,

Sempre, sempre, sempre,

Esta angústia excessiva do espírito por coisa nenhuma,

Na estrada de Sintra, ou na estrada do sonho, ou na estrada da vida…»

Poesia de Álvaro de Campos

*** * ***
FOTOGRAFIA
Line of Fire by *Solkku
Euphoria by *Solkku

*** * ***
CARTOON
Ana von Rebeur

Ana von Rebeur

13 comentários:

Anónimo disse...

Uma pausa na política e o retorno à bela Sintra de que tanto gostas e que a espaços nos revelas. Para ti e para o Palaciano
Bjos da Sílvia

Sophiamar disse...

Há pessoas que só estão bem onde não estão. Inconstantes! Acho que o espírito humano é todo ele um pouco assim. Uma insatisfação inexplicável. Parece-nos! Neste momento, tem explicação. Haverá quem esteja contente com o estado em que o mundo se encontra?
Olha, o melhor é tomar um pouco daquele soro que o doente está a injectar em si próprio. Quanto à velhota da cadeira de rodas, olha o truque que ela arranjou para pedir ao tempo que volte para trás.

Beijinhos

Tem um bom domingo!

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querido Amigo Zé, votos de um bom Domingo... Beijinhos de muito Carinho e Amizade,
Fernandinha

Papoila disse...

Esta inquietação do poema representa bem o espírito de quem não se conforma com a mediocridade do dia a dia...
Sintra nestes dias quentes deve ser o paraíso.
Belas fotos!
A sombra chinesa da senhora do cartoon uma maravilha!
Beijo

São disse...

As fotos são lindas , a música espectacular e o poema é Pessoa.
Feliz semana.

FB disse...

Quem conhece a sua ignorância revela a mais profunda sapiência. Quem ignora a sua ignorância vive na mais profunda ilusão.

tulipa disse...

Amigo
Hoje, ao fim de um dia particularmente triste, abeiro-me da janela, neste momento e olhando a lua, as palavras sairam:

Esta noite a lua
chama por mim
Ela sabe como eu gosto
Quando está
em lua cheia
O seu brilho, o luar
Enfeitiçam-me.
Intensamente.
Despertam os desejos
Em mil carícias
Num ritual inebriante
Em que os meus lábios
Chamam por ti...

Como sempre, excelente música, belas imagens.

Beijinhos

Laurentina disse...

AMIGO ZÉ
ALVARO DE CAMPOS, FERNANDO PESSOA, O ZÉ DA ESQUINA,SEJA QUEM SEJA DESDE QUE DEITE PARA FORA O QUE LHE VAI NA ALMA E VEJA REFLETIDO NO ESPELHO O QUE LHE DER NA REAL GANA, ASSINO POR BAIXO.

BEIJAO GRANDE AQUI DA PONTA OESTE MEDITERRANICA DA PENÍNSULA

C Valente disse...

Ir a Sintra e voltar, dar a volta saloia (Lisboa-cplares. cabo espuchel, boca do inferno casscais Lisboa
Bela volta, quando outra não tgenho sendo repousante
Saudações amigas

sol poente disse...

É preciso saber ver a estrada e a sua beleza e não destruirmos o prazer com a nossa inquietação.
Abraço

Jorge P.G disse...

Álvaro de Campos, um dos meus preferidos!

Gostei muito do boneco da "pinga" no Hospital.

Um abraço.

A paginadora disse...

INQUIETUDE...

Estar bem apenas onde ainda não se chegou. Ser feliz somente donde já se partiu, quem é que nunca sentiu esta dualidade de sentimentos.
Pessoa e Campos sentiram-no. E transmitiram através dos seus escritos esse sentir.
Gostei de tudo. Do poema. Das Fotografias. Dos Cartoons.
Um abraço amigo Zé

Tiago R Cardoso disse...

E muito bem...