quarta-feira, julho 23, 2008

A (IN)JUSTIÇA

A justiça em Portugal tem dado de si própria uma péssima imagem nos últimos anos. O último reduto de um estado democrático é precisamente a Justiça, e quando ela não funciona, tudo se desmorona ao seu redor.

Foram muitos os casos mediáticos que recentemente foram dados à estampa, e convenhamos que sempre que atingiram figuras conhecidas ou importantes instituições ou empresas, os resultados foram ou insignificantes ou mesmo nenhuns.

Não sei se o defeito está nas leis, se nos executantes, ou até nos interesses atingidos, o que é um facto é que quase ninguém acredita que se faça Justiça, quando os suspeitos são conhecidos ou têm dinheiro para ser defendidos pelos melhores advogados.


Os resultados estão à vista, e infelizmente o descrédito mina os cidadãos que cada vez menos confiam que se faça verdadeiramente Justiça.


*** * ***
FOTOGRAFIA
Sergey Nikolaev

voodison

*** * ***
CARTOON

7 comentários:

Anónimo disse...

Mais vale mesmo emborcar uns copos, a ver se esquecemos...
Lol

AnarKa

Marreta disse...

A diferença poderá estar nos "meandros" da Lei, que alguns sabem e podem contornar com a contratação de advogados de luxo, ao contário da grande maioria sem capacidade e recursos para poder obter uma defesa eficaz.
A lei é igual para todos, mas a forma de "explorar" os possíveis malabarismos técnicos é que é diferente.
Saudações do Marreta.

Anónimo disse...

A lei não é igual para todos porque os instrumentos ao nosso dispôr (advogados) não são os mesmos nem tão pouco equivalentes.
Bjos da Sílvia

C Valente disse...

Democracia, democracia, será?
onde a justiça não existe
Saudações amigas

C Valente disse...

Democracia, democracia, será?
onde a justiça não existe
Saudações amigas

Jorge Borges disse...

Completamente de acordo. Há problemas de funcionamento no poder judicial, reconhecidos pelos próprios magistrados, que se sentem impotentes para os ultrapassar. É neste domínio que o poder legislativo pode e deve intervir, só que não o faz.
O facto de existir uma maioria absoluta que legisla sózinha não tem sido favorável aos interesses da Justiça em Portugal. A actual maioria PS tem manifestado muito mais "apetência" por legislar sobre outras matérias...
A impunidade dos grandes perante a Justiça choca. Mas é um facto que importava corrigir, só que... Não querem!

Um abraço das Alternativas

sol poente disse...

Zé Povinho
Só pobre é condenado e sofre pena humilhante.
Até há bem pouco tempo havia apenas 8 portugueses a cumprir pena por corrupção.
Parece que este número chegou até aos 20 mas nunca incluiu peixe do mais graúdo de todos.

Abraço