sábado, maio 03, 2008

REFLEXÃO SOBRE A SITUAÇÃO DOS MUSEUS

Já aqui falei sobre esta iniciativa da representação nacional do ICOM (International Council of Museums), a propósito do 18 de Maio, data em que se comemora o Dia Internacional dos Museus.

Debater os entraves e os desafios que o sector enfrenta é sempre salutar, mas para tal há que envolver todos os profissionais envolvidos no funcionamento e divulgação dos museus e não só alguns sectores profissionais como acontece geralmente. Em Portugal os membros desta organização não-governamental são apenas representativos de uma parte do pessoal que trabalha nos museus, ao contrário do que se passa em alguns países europeus, onde a participação é muito mais abrangente.

Na minha modesta opinião, não basta enviar missivas ao ministro da Cultura dizendo que o sector está em risco de colapso por falta de recursos materiais e humanos. Esta é apenas a parte visível do problema, que é muito mais profundo, e que começa exactamente pela política cultural que o governo pretende implementar.

É notório que o governo deixou de investir no Património e que os museus, palácios e monumentos apresentam já sinais evidentes deste facto, na degradação dos espaços, na falta de manutenção e de restauro das colecções e até na actividade expositiva, que é actualmente de uma pobreza evidente. O governo já manifestou a intenção de entregar alguns museus às autarquias locais, já criou empresas como os Parques de Sintra – Monte da Lua a quem entregaram a gestão de monumentos, e prepara-se agora para fazer algo no género com o Museu dos Coches e talvez até com a Torre de Belém.

Será que a secção nacional do ICOM está na disposição de confrontar o executivo com estes assuntos? Será que estão dispostos a defender para Portugal algum dos modelos existentes na Europa, e com provas dadas, para o nosso Património? Ficamos a aguardar pelos resultados.

*** * ***
PINTURAS
Outono por Leonid Afremov

Mars Hell by *angotti81

*** * ***

BOAS IMAGENS

Foto de alecarvalho

Foto de alecarvalho

14 comentários:

Maria disse...

Disse e disse muito bem!
Apoiado ZéPovinho!


Bom fds :-)
Bjs

Anónimo disse...

Ambos sabemos que não vai haver coragem para tanto, que os concursos ainda não saíram e os lugares ainda estão em jogo. Aquele «clube» é só para quem não levanta ondas...
Bjos da Sílvia

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querido Amigo Zé, magnífico texto, além disso o post no seu todo, é belíssimo... Meu querido, muitos beijinhos de carinho,
Fernandinha

Ludo Rex disse...

Gostaria de acreditar que algo fosse feito no sentido que apontas... Um Bom Alerta. Um abraço e Bom Fim de Semana

Templo do Giraldo disse...

Esta registado este teu apontamento caro zé. De facto tem de se fazer mais pelo património, museus e pela arquitectura portuguesa.

Tem um bom fim de semana.

Um abraço

Jorge P.G Sineiro disse...

Vem sendo notório o desinteresse do governo pelo património cultural do país.
Estou naturalmente expectante quanto às acções que o ICOM eventualmente venha conseguir pôr em prática. Mas convencer o governo a mudar a sua política pobremente economicista, parece-me muito difícil.

Um abraço e bom fim-de-semana.
Jorge P.G.

Odysseus disse...

O mal é que muitas vezes o tempo para visitar museus é aos fins-de-semana, e muitos estão encerrados ou limitados no acesso. Este pais culturalmente está muito pobre, o estado que os museus estão reflectem isso mesmo.

Cumprimentos

Zé Povinho disse...

Meu caro Odysseus
Os museus estão abertos aos fins-de-semana, e ao domingo, até às duas da tarde, as entradas até são de borla. Note-se que estou a falar dos museus dependentes do ministério da Cultura, embora isto também seja verdadeiro para muitos outros, talvez a excepção seja o Palácio Nacional da Pena como aliás já aqui referi.
Abraço do Zé

C Valente disse...

Saudações amigas e bom domingo

MentesSueltas disse...

Conociendo tu espacio, leyendo y pensando en Volver.
MentesSueltas

Carol disse...

E eu que gosto tanto de visitar museus e monumentos... Até era uma área em que gostava de trabalhar!

ANTONIO DELGADO disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ANTONIO DELGADO disse...

Tenho especial interesse pelas questões culturais mas sou levado a crer que esta importante área, a da cultura, é no nosso país uma área muito abandonada por problemas estruturais como a educação e sobretudo o ensino das artes. Nunca Portugal foi, ao contrário do que por vezes se afirma, um país que desse nomes de grande referência no domínio das artes (pintura, escultura, musica, arquitectura) as grandes obras de referência nestes domínios e existentes em Portugal são da lavra de estrangeiros ou então os seus autores não se conhecem e envolvem-se em aureolas de mistério como convém, ao estudiosos de cá: é o caso dos Painéis de S. Vicente e dos túmulos de Pedro e Inês só para dar estes exemplos . Estruturalmente não temos cultura para entender ou proteger a nossa cultura patrimonial que está na origem dos museus. Isso implica o ensino das artes e programas muito concretos nestas áreas e que nunca existiram: As "viagens na minha terra" do romântico Almeida Garret destacava isso e nada mudou desde aí apesar de ele ter fundado o teatro D. Maria. Há pouco e só para dar um exemplo caricato, um conceituado cientista da área da matemática tentou interpretar os painéis de S. Vicente um estudo que é muito interessante mas levantaram-se os detentores da verdade hermenêutica na área das artes (há muitos no nosso país) a perguntarem a legitimidade de semelhante estudo ou que tem a matemática de positivo a oferecer e que ajude a entender os referidos painéis. Este tipo de mentalidade é bem exemplificativa da cultura e mentalidade existente neste país e que me escuso de averiguar de forma alongada neste comentário mas que é esclarecedora . Tudo isto para dizer que as politicas museológicas, em meu entender, passam por aspectos de educação, cimentadas em anos e até séculos de ensino e investigação, não são terapias de mercado a resolve-las como se pretende. O que se pretende implementar parece que é como procurar o rasto do voo de uma ave no céu. Só poderá existir uma verdadeira politica cultural quando existir um forte e efectivo mercado de educação em Portugal onde a arte e o seu ensino tenham uma dimensão cultural bem implantadas.
Um abraço
António Delgado
Ps. desculpe a linguagem mercantilista, mas peço para que não me entenda como um apologista do capitalismo avançado.

MARIA disse...

Olá Zé, eu junto a minha à sua , à nossa voz.
Muito pertinente o que diz. Será que nos ouvem ?
Um beijinho amigo.

Uma boa semana.

Maria