sexta-feira, fevereiro 01, 2008

O REGICÍDIO

Nos últimos dias muito se tem escrito sobre o regicídio e muitas têm sido as teorias que vieram a lume, tentando explicar tudo o que se passou e as motivações dos seus autores. Não me vou debruçar sobre as teorias, pretendo apenas deixar uma narrativa registada na revista Serões, poucos dias depois.
O primeiro regicida, o que mais denodo e pertinácia mostrou, chamava-se Manuel dos Reis da Silva Buiça, contava trinta e dois anos e nascera em Bancoais. Ficara viúvo e tinha duas filhas de pouca idade. Foi em Vinhaes ajudante do professor de instrução primária Parece que a morte da esposa lhe perturbara fundamente o espírito… Era actualmente professor de um colégio muito considerado em Lisboa. Durante dez anos que ali esteve desempenhou exemplarmente os seus deveres, obtendo o passado ano lectivo os seus discípulos número avultado de distinções.
Não fazia alarde de ideias avançadas. Na manhã do atentado compareceu na escola, pelas dez horas, e solicitou licença do director para sair, pois desejava ir à estação esperar uma filha que vinha de fora. Era, ao que consta, assíduo frequentador da carreira de tiro de Pedrouços, onde obtivera a categoria de atirador de primeira classe
.”
Este homem, aparentemente um normal e pacato cidadão, terá sido o autor do primeiro tiro, desfechado com uma carabina Malincher, que viria a atingir mortalmente o rei D. Carlos no pescoço, esfacelando as vértebras cervicais, segundo afirmaram posteriormente os médicos.
A monarquia tinha agora os dias contados.

*** * ***

FOTOS - DESERTOS

another metaphorical carrot by *hotburrito2

Sand Pattern and Creosote Bush by TheDynamicLight

*** * ***

CARTOON

13 comentários:

Spectrum disse...

É uma época da nossa história que me interessa particularmente.
Interessante o texto da revista. A queda da monarquia era uma inevitabilidade. Em espanha, não sei se p Zé tem estado atento, milhares de pessoas têm saido à rua a pedir o fim do regime monárquico. Com todos os defeitos da República, é bem preferível um chefe de estado não-monárquico. Porque teríamos levar com imbecis da mesma família séculos a fio?
D. Carlos, acabou por ser vítima das asneiras dos antepassados. Era um homem culto, contrariamente à grande maioria dos seus antecessores.
Abraço

Zé Povinho disse...

Devo esclarecer que não sou monárquico, nem pouco mais ou menos, apenas sou um amante de História. Agora limitei-me a reproduzir uma parte do texto de uma revista da época, que relata com "as cores da época" o acontecido.
Abraço do Zé

Joca disse...

Os atentados dessa época, e foram muitos contra diversos monarcas europeus, muitas vezes foram perpretados por figuras mais ou menos irrelevantes no panorama dos que contestavam o sistema, um pouco como acontece hoje com o terrorismo que grassa na actualidade.
Fui

Ludo Rex disse...

A Monarquia estava podre. Foi necessário para avançar com a Revolução republicana. Viva a República.
Um Abraço e Bom Fim de Semana

ANTONIO DELGADO disse...

Bom momento de humor com os cartoons.

sobre o texto e como pessoa interessada em história o relato parece imparcial. Por opção sou républicano.

Mas esse periodo da nossa história está pouco estudado, pelos vicios do ensino da história. Ela é pouco critica (apenas poucos) escrevem de forma não apologetica e mitica. Recentemente o jornal Publico (passo a publicidade) num artigo acerca de um livro sobre o Fernão de Magalhães, feito por um investigador estrangeiro, punha o dedo na ferida.

Um abraço e bom fim de semana
António Delgado

ANTONIO DELGADO disse...

Esqueci-me BELA MÚSICA.

ABRAÇO

Laurentina disse...

Olá Zé acabei de te mandar um mail com recheio...espero que gostes e aproveites neste fim de semana de carnaval.
Se precisares de alguma dica apita, estou perto de ti...cá no Mira... de que não gosto nada.

Bom e recordar a NOSSA HISTORIA não faz mal a ninguém, vens sempre a proposito amigo.
Os cartoons sempre o máximo .

Bom carnaval, olha eu vou-me mascarar de "jamé" ou de "casmpanha difamatoria" que tal??!

beijão grande

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá querido amigo Zé, li e reli o teu texto e adorei.
É como dizes muito se tem escrito, sobre o Regicídio mas, gostei muito de ler o que se escreveu na época.
Parabéns!!!
Muitos beijinhos de carinho e ternura.
Fernandinha

FERNANDA & POEMAS disse...

Olá Zé, o resto da postagem está uma beleza.
Fernandinha

Meg disse...

Zé,

Estou francamente admirada com o destaque que se tem estado a dar ao centenário do Regicídio. E é curioso como ao lermos, eu, pelo menos, verificamos que afinal ainda há tanto informação por tanto tempo sonegada.

Mas é sempre tempo de saber mais uns detalhes, graças a pessoas como tu,que, conhecedores da nossa História, partilham connoco momentos como este.
Obrigada.

Um abraço

Savonarola disse...

Caríssimo Zé,
Gostei imenso do testemunho e da história de um homem de coragem. Outros pensarão de outra forma, mas é preciso "tê-los" para matar o Rei, sabendo que seria morto imediatamente a seguir.
Depois do regicídio, foram só mais dois anitos de D. Manuel II, que só prologaram o estertor de um regime completamente apodrecido.
E o que é espantoso é que,no dealbar do século XXI, sobrevivam ainda monarquias na Europa. Quem quer largar os seus privilégios, as suas benesses? Nem os lacaios destes senhores/as!
Um abraço amigo e... anarquista!

C Valente disse...

Um crime é um crime, e para se alcançar os fins nem todos os meios são validos
Não tenho nada contra a monarquia, mas não gosto do sitema , mas esta nossa republica deixa muito a desejar
Saudações amigas

Pata Negra disse...

"Não fazia alarde de ideias avançadas" curioso como o relato recorre à designação "ideias avançadas". Não compreendo por que é que, ainda hoje, haja quem defenda a monarquia, não parecem ser detentores de ideias avançadas.
Por vezes para salvar muitas vidas pode ser necessária uma morte, os cristãos sabem-no, de resto não foi só o Carlos que morreu!
Acho que vivemos numa república decadente: estarei com ideias avançadas?