sábado, janeiro 19, 2008

MUSEUS E PLANEAMENTO

Já tenho abordado aqui as dificuldades com que se debatem os museus, palácios e monumentos, quer no que respeita a verbas, quer no campo dos recursos humanos. Infelizmente o retrato é muito negativo e não podemos embandeirar em arco, como se pretende, só porque o número de visitantes aumentou no último ano. As estatísticas frequentemente escondem fragilidades que não convém admitir.
Quem conhece ou trabalha neste meio, queixa-se de que os portugueses visitam pouco os nossos museus e monumentos, o que é uma realidade bem patente quando se sabe que em certos serviços os nacionais rondam apenas 12% do total das visitas, e mesmo assim porque se contabilizam as visitas de estudo, senão ficariam certamente abaixo dos dois dígitos. Talvez isto seja uma surpresa para alguns, quando se sabe que algumas exposições registaram números verdadeiramente interessantes.
O grande mal no sector do Património reside no planeamento, que pura e simplesmente é impossível. Estamos para além do meio do mês de Janeiro e ainda não está aprovado um plano de actividades para os museus e palácios dependentes do IMC, IP. O exagerado centralismo, a burocracia e os atrasos das reestruturações resultam na incapacidade de programar as actividades dos serviços.
Estou a lembrar-me da conversa tida recentemente com um conservador de um grande museu estrangeiro, que me dizia que tinha em mãos dois projectos de exposições, uma para 2009 e outra para 2010. Confidenciou-me este senhor que dois anos para contactos e planeamento de uma exposição, eram um tempo curto, e que a um ano de distância já tinha a aprovação do orçamento consagrado para o evento. Isto é absolutamente inviável em Portugal, pelo que a grande maioria das exposições são feitas com poucos recursos, e muitas vezes preparadas à pressa, não reunindo muitos dos meios que mereceriam e que estavam na ideia de quem as concebeu. Os resultados são fracos e o público não se sente atraído.
O “Roteiro para o Património” que Cavaco Silva vai iniciar na próxima semana, vai passar ao lado destes problemas, não me constando que esteja previsto nenhum encontro com os trabalhadores dos museus, palácios e monumentos, o que é pena, pois com alguma visibilidade talvez alguma coisa pudesse mudar nos tempos mais próximos.

*** * ***
FOTOGRAFIA
e6e1

pantera-kat

*** * ***

CARTOON


13 comentários:

Vieira Calado disse...

Desde quando interessou divulgar a cultura a esses cavalheiros?
Era o que faltava...

MARIA disse...

Olá Zé,

O nosso País apresenta um grave problema no domínio do planeamento em quase tudo ...
Somos os especialistas do improviso e nem sempre nos sai bem ...
Gostei dos cartoons, como sempre, mas as flores ... hum ... que lindas são !
Um beijinho

quin[tarantino] disse...

A cada país a cultura que merece?

Sophiamar disse...

É o planeamento, Zé! Onde está ele? Francamente! Assim vai a nossa cultura.
Quanto aos cartoons, uma delícia.

Beijinhossssss

Bom Domingo!

Papoila disse...

Caro Zé Povinho:
Mas a estes nossos governantes a cultura diz-lhes alguma coisa?
As fotos das flores sempre encantadoras e os cartoons muito bons.
Beijos

Tiago R. Cardoso disse...

Diga-se mais uma vez ver a dedicação que o amigo têm a cultura.

De facto fazer roteiros é interessante, devia no entanto se completo falando mesmo com que está lá na máquina.

elvira carvalho disse...

Para os governantes, um povo culto é sempre um problema...
Um abraço e bom Domingo

Kalinka disse...

Amigo Xamuar
Finalmente respondi ao «teu desafio», com muita vergonha pelo atraso.

Eu, peço desculpa pela minha ausência, mas a minha vida tem estado complicada, tenho uma familiar muito querida com apenas 25 anos e está a sofrer há 8 meses, problemas graves, neste momento aguarda um transplante de coração.
No último dia do ano de 2007 dediquei-lhe o meu post de fecho do ano.
Nem sei como ainda tenho cabeça para andar por aqui...venho vindo aos poucos, mas...não com a mesma assiduidade de antes.
Sinto-me bem na blogoesfera, é aqui que muitas vezes venho buscar forças.

Bom fim de semana.
Um abraço.
Ai como eu preciso de um Abraço!!!

zé lérias disse...

Bom texto e bons cartoons.
Um abraço

Savonarola disse...

Caro Zé Povinho,
Pelos vistos, o mal está no fraco planeamento das actividades culturais. Atrevo-me a dizer que o mesmo se passa com tudo o que diz respeito às actividades deste país. Improvisamos, improvisamos e os resultados só podem ser fracos e pouco atractivos.
E então, no caso da Cultura nem se fala! Como não é, nem nunca foi - nem no tempo dos Romanos - rentável, toca de desprezá-la, dar-lhe uns troquitos para se "desenrascar". Lamentável.
Um abraço anarquista.

Meg disse...

Zé, eu acho que o que se passa neste como em outros sectores, é que as pessoas estão nos lugares "de passagem". Então para quê envolverem-se em projectos, sejam eles quais forem.
O país está entregue a uma cáfila de personagens tão incompetentes
quão ignorantes.
Posso estar enganada, mas é o que vejo e sinto.

Um grande abraço

Rita disse...

Planeamento, Cultura? Aqueles senhores e senhoras estão-se nas tintas para isso.
Gostei das flores
Bjos

SILÊNCIO CULPADO disse...

Zé Povinho
O teu texto é pertinente como são todos os que escreves. Mas um aspecto que não focaste, e que a mim me parece relevante, é o preço das entradas verdadeiramente incompatível com as dificuldades derivadas dos baixos salários e pensões de reforma.
Para além de tudo o nosso governo não incentiva a cultura. O marketing institucional está todo virado para esconder a realidade e vender um produto que não existe. E é só isso que interessa.
Um abraço