segunda-feira, outubro 29, 2007

CONVERSAS SOBRE PATRIMÓNIO

Este sábado e domingo, resolvi encontrar-me com um amigo de longa data que conhece bem os museus e os monumentos, para trocarmos umas impressões sobre o que se faz, ou não, nestes serviços dependentes do Ministério da Cultura. Por sua sugestão começámos pelo Museu do Azulejo, seguiu-se o Museu das Janelas Verdes, o dos Coches, o de Arqueologia, os Jerónimos e a Torre de Belém, no sábado, e o Palácio de Monserrate e o de Queluz no domingo.
Não há nada como fazer visitas destas com alguém que conheça bem os edifícios e colecções, para se ter uma visão crítica e fundamentada sobre os aspectos de conservação e de exposição. Apesar de já conhecer todos estes museus e monumentos, e mesmo estando ligado à construção civil e à decoração de espaços, confesso que sem as chamadas de atenção de quem sente os problemas no seu trabalho diário, muito do que agora vi ter-me ía passado despercebido.
Apercebi-me de infiltrações, de peças em exposição que necessitam de trabalhos de conservação e até de restauro, de faltas de pessoal e de formação dos mesmos, até porque muitos são contratados. Também foi curioso ver que a informação é deficiente, e às vezes muito má e pouco cuidada, já para não falar da qualidade das lojas que visitei, onde é mais fácil encontrar um lápis ou uma porcelana do que um livro técnico sobre azulejos ou sobre estilos arquitectónicos.
Sobre jardins já tinha tido um mau exemplo na zona circundante do Palácio da Ajuda, mas fiquei estarrecido com o Palácio de Monserrate, onde já não ía há alguns anos e pior ainda com o Palácio de Queluz, que é uma (má) caricatura do que eu conhecia há quinze ou vinte anos atrás.
Não sei se o meu amigo tem razão, eu gostaria que não, mas segundo ele, parece que a intenção é deixar estes serviços afundarem-se, justificando assim a sua entrega à gestão privada, mais ágil e dinâmica, ainda que muito mais cara, porque não há almoços grátis, como diz um certo cronista.

*** * ***
FOTOS INCORRECTAS
barbie at night by Catboymeowian

waiting for the frog prince I by rinascita

*** * ***

OS DESTAQUES DO ZÉ

11 comentários:

Vieira Calado disse...

Não conheço as personagens. Mas sempre achei uma arte deliciosa, essa de fazer caricaturas.
Um abraço.

Anónimo disse...

POis o teu amigo deve ter razão, infelizmente...



Abraços de boa semana ;-)

Sulista

O Guardião disse...

Já vi que andas numa de Cultura, e pelo que percebo tiveste a companhia do Palaciano. Eu espero ir aí a baixo em breve e também quero ir ver a exposição russa, espero que um de vocês me acompanhe.
Cumps

C Valente disse...

Ter um amigo como cicerone , que nos explica com mais detalhe e não tipo cassete já velha , bom circuito, boa escolha
Saudações amigas

Tiago R Cardoso disse...

perfeitamente aceitável a explicação do seu amigo, infelizmente...

quintarantino disse...

perfeitamente aceitável a explicação? talvez, mas perfeitamente inadimissível a ser verdade.
Ou têm coragem de assumir ou então que se quilhem...

Isabel-F. disse...

"...
Não sei se o meu amigo tem razão, eu gostaria que não, mas segundo ele, parece que a intenção é deixar estes serviços afundarem-se, justificando assim a sua entrega à gestão privada, mais ágil e dinâmica, ainda que muito mais cara, porque não há almoços grátis, como diz um certo cronista.
"

nunca tinha pensado nisso ... mas infelizmente parece que o teu amigo terá razão ... o tempo o dirá...

beijinhos e uma boa semana para ti

Savonarola disse...

Caro Zé Povinho,
O que contas é sintomático do que se tem passado com a Cultura neste país. Confesso que há muito tempo que não ouvia falar tão pouco de cultura como agora. Fala-se de défice, de orçamento, de economia, empresas, etc., mas de actividades culturais... Nada!
Não admira assim que comece tudo a cair aos pedaços. Deliberadamente? Para deixarmos todos de ser cabeças pensantes?
Um abraço anarquista

Anarka disse...

A destruição dos serviços públicos, fazendo com que definhem por carências várias, é a estratégia mais vergonhosa que tem caracterizado a acção "neoliberal" dos últimos governos. A negociata que daí resulta será paga pelos contribuintes, mas ainda há quem esteja iludido.
Fui

Fernanda e Poemas disse...

Olá Zé, linda a tua postagem.
Adorei!!!
Bom início de semana.
Beijinhos,
Fernandinha

adrianeites disse...

não ha nada como estar juntos dos "connaisseurs"!