quarta-feira, agosto 22, 2007

NOS PÍNCAROS DO MONTE DA LUA

Já abordei aqui algumas vezes o caso “estranhíssimo” que é o funcionamento do Palácio Nacional da Pena. Trata-se de um monumento classificado, cuja tutela transitou recentemente do, entretanto extinto, IPPAR para o novo Instituto dos Museus e da Conservação (IMC, I.P.), de acordo com a Portaria nº 377/2007 de 30 de Março, mas que, por mecanismos que não são do domínio público, está a ser “comandado ou gerido” pelos Parques de Sintra – Monte da Lua, uma sociedade anónima de capitais públicos.
Todo este imbróglio que envolve a gestão do Palácio Nacional da Pena, é apenas a ponta dum novelo ainda mais misterioso, que se prende também com os preços praticados nas bilheteiras desde os princípios de Agosto deste ano.
Acreditem meus amigos que o que está indicado a seguir é retirado da página da sociedade anónima PS – ML:
Crianças até 5 anos: entrada gratuita em todos os percursos
Adulto
Percurso T – Palácio Total. Todas as Áreas: 11€
Percurso A – Claustro e Capela. Inclui Percurso C: 9€
Percurso B - Palácio Novo. Inclui Percurso C: 9€
Percurso C – Terraços, Caminho de Ronda e Sala dos Veados: 7€
Jovem e Sénior
Percurso T - Palácio Total. Todas as Áreas: 9€
Percurso A – Claustro e Capela. Inclui Percurso C: 7€
Percurso B - Palácio Novo. Inclui Percurso C: 7€
Percurso C – Terraços, Caminho de Ronda e Sala dos Veados: 5€
* Todos os bilhetes de Percursos incluem a visita ao Parque da PenaEsta informação pode ser consultada (AQUI)
Atendendo ao facto de as entradas nos monumentos e palácios nacionais, ainda que classificados como Património Mundial, não ultrapassam os 4,5€, parece-me que os preços praticados no Palácio Nacional da Pena estão muito inflacionados e que o pagamento do Parque é um logro, já que a maioria dos visitantes não o faz, nem o seu estado de conservação o recomenda.
Porque será que atentados desta natureza, ao bolso dos visitantes, são feitos a coberto de situações especiais, e pouco claras porque não foram divulgadas publicamente?
Será esta uma nova forma de promover a Cultura, ou apenas uma forma de poder sustentar uma empresa que se substitui ao próprio Ministério da Cultura e onde os salários de topo são bem interessantes, segundo se sussurra na zona?

*** * ***
FOTOGRAFIA - JÓIAS

EKA SULIMA /Yoko Foto

*** * ***

CARTOON

Patrick Chappatte

17 comentários:

quintino disse...

Eu, por exemplo, apanhei um baque em Paris.
Vou ao Louvre. A família toda. Dois adultos e as gêmeas de 13 anos.
Sabe quanto gastei para entrar?
9,00€ por adulto e 0,00€ pelas jovens. Constatei depois - noutros monumentos públicos - que jovens até aos 18 anos não pagam.
Quanto aos 9,00€ para visitar o Louvre quase que tive vontade de dizer que levava bilhetes para uma semana...
Já por cá... para visitar a exposição de algumas obras de Dali no Palácio do Freixo tive de pagar eu, a mulher e as duas filhas. Nem mais. E também foi um pequeno balúrdio.

MARIA disse...

Meu querido amigo,
Esses preços são assim fixados porque se pensa que só os estrangeiros, todos com mais poder de compra e suposta apetência cultural que os Portugueses, é que vão visitar o Palácio ...
É o nosso Portugalzito, Zé. O nosso ...

Sophiamar disse...

E assim se vai despromovendo a cultura em Portugal. Quem pode pagar exorbitâncias destas?
Vai falando Zé Povinho enquanto a voz não te doer que o mesmo é dizer enquanto o puderes ir fazendo.
Beijinhos

o guardião disse...

Depois da nossa conversa sobre este assunto, também eu ía escrever sobre este absurdo, mas constatei que às 23 horas (acerta o relógio meu), já cá estava este artigo, e com uma abordagem elucidativa. Limitei-me a linkar e a colocar um boneco do Goraz sobre isto.
Cumps

Sílvia disse...


A venda a retalho do nosso Património está aí bem exemplificada. Só te posso dizer que aqui na redacção ninguém quis pegar no assunto, pois sabem que o SS não ía gostar.
As jóias são o máximo...
Bjos

Tiago R Cardoso disse...

Perfeitamente aceitável, então estamos a falar de uma das sete maravilhas, alem disso é para o prestigio, quando um estrangeiro chega, leva com um preço desses, vê logo que com esses valores está num pais do primeiro mundo e não vê o "povo", os incultos dos portugueses, por ali a estragar o ambiente, só se vê a elite.
O resto, o povo,vá para os centros comerciais ver as montras, que é mais barato.

CORCUNDA disse...

E no fim de contas são preços para monarcas, fazendo jús à tradição da terra...
Parece que a política de cultura para todos ainda não vingou por cá.
Abraço.

Odysseus disse...

11 euros??? Que chulice. não digo mais...

Zé Povinho disse...

Pois é amigos: fomenta-se assim a Cultura, extorquindo até mais não. O que mais revolta é saber que o Ministério da Cultura, alheia-se disto, fecha-se em copas, não dá explicações sobre esta gestão "sui generis", e os jornais nacionais não querem pegar no assunto, apesar de já terem sido informados por diversas pessoas, algumas das quais encheram a minha caixa do correio. Porque será? Terão de facto medo do SS ?
Abraços do Zé

aryana disse...

Em Portugal a cultura é só para os turistas e para aqueles que tudo o resto podem pagar, para os quais os preços acabam por ser irrisórios dado o seu nível de vida.
Comparativamente,para visitar por exemplo a Torre de Londres que nada tem a ver com o que cá existe "em termos de diversidade cultural e histórico"paguei o ano passado o equivalente a 20 euros, e na Madame Tussaud´s 25 euros..
Mas em Espanha que fica tão próximo e poderíamos seguir-lhes o exemplo, tudo se paga,incluindo uma simples muralha ou murada antiga em ruínas.
Se por cá,embora com preços até símbólicos, se pagasse para visitar o muito que existe do passado ainda que mal preservado,poderíamos ter muitos mais polos de interesse e mais acessíveis no geral,além de mais recursos financeiros para tornar visitável outros locais.
Existem pelo país fora,casas brasonadas,castelos,antas,menhires etc,completamente abandonados e sujeitos a vandalismos de toda a espécie.A história não está só nas cidades,isto sou eu a pensar!!!!
Saudações

A paginadora disse...

Amigo Zé
Temos que pensar se ainda nos resta alguma cultura no nosso país,eu penso que não.Também com
a ministra actual eu vou ali e já venho. Pelo menos esta cultura elitista e amorfa que agora se
usa por cá eu não a considero
como tal.Portanto não a pago. Que lá vão os turistas.
Digo isto com muita pena porque tenho uma formação em património cultural.Actualmente o nosso património edificado vai caindo aos pedaços, degradam-se museus, palácios,kubas, castelos e fortificações.Não há dinheiro dizem! Temos um património riquissímo de cariz popular mas esse não é apoiado nem incentivado porque é democrático e grátis para todos.Desiludida com a actual situação voltei-me para o "meu património", que posso usufruir sem pagar: concertos de rua,poesia de autores desconhecidos, pintura de autodidactas,jogos florais, recolha de letras de cantigas populares,rimas,décimas e quadras populares.Segundo a UNESCO o direito à cultura deve ser para todos gratuito e universal.
Utopias, dado que o direito à saúde e há educação tambem são letra morta.
Assim,para isso não preciso de visitar tantas exposições e fundações como é agora a do Dom comendador. Neste país e em especial aos que governam só interessa o lucro e agradar aos lobbies.
Um abraço Zé

ANTONIO DELGADO disse...

a chama cultura em Portugal é muito caro e nalguns casos muito mal servida em termos de infra estruturas de apois como era o caso das ca de banho no Mosteiro de Alcobaça e na sua encolvente.Paga-se quatro euros e meio por pessoa e não havia casa de banho como denunciei no meu blog.

Fora parece que já há mas dentro ainda não tive oportunidade de ver.

Mas é para ricos o acesso a bens culturais em Portugal

Um abraço

adrianeites disse...

ta barato! lol

é este o estado da cultura no nosso país!

cp's

J.G. disse...

É esta chico-espertice que mais me irrita em Portugal!

um abraço

papagueno disse...

Incrível, desconhecia por completo que agora havia diferentes percursos na Pena. Outra maneira de extorqui dinheiro às pessoas.
Como é possível que o estado entregue a gestão de um dos principais monumentos do país a esta gente.
Não era esta empresa que estava falida e devia uma fortuna ao estado português?
Um abraço.

LopesCa disse...

Preços caros :(

Gostei da imagem actual sobre "You are in Russian territory" :)

Anónimo disse...

Pois é.... e ainda se fosse para pagar um ordenado decente a quem lá trabalha.... A grande maioria dos funcionários, falo do caso que conheço referente aos licenciados, é mal paga e não tem contrato de trabalho!!! É-lhes exigido em entrevista licenciaturas, mestrados, doutoramentos etc, etc, para depois ganharem meia dúzia de euros que não dão nem para atestar o carro! Bem, mas isto é uma gota num oceano de gente mafiosa ao mais alto nível! O povo não tem a mais pequena noção do que se passa, com o SEU património, e a utilização que lhe é dada!!