segunda-feira, agosto 27, 2007

AS ESTATÍSTICAS E A REALIDADE

Pela enésima vez venho manifestar a minha descrença nos dados estatísticos divulgados. Um dos títulos escarrapachado na página de Economia do DN dizia, “Salários mais altos triplicam os menores”, e logo abaixo, “Desigualdade. No mundo do trabalho por conta de outrem, a desigualdade não cresceu nem diminuiu. Em média, os 10% mais bem pagos continuam a ganhar três vezes mais do que os 10% que menos recebem pelo trabalho”.
A acreditar no que relata o jornal nas letras gordas a meio do corpo do texto “380 euros é o valor até ao qual vai o ordenado líquido mensal dos 10% mais mal pagos no País”, pelo que fazendo a simples multiplicação por 3, chegamos ao valor médio dos mais bem pagos que será de 1.140 euros líquidos mensais (?). Ou a matemática é uma batata, ou algo está errado no título da notícia.
O abuso de estatísticas para fins duvidosos de que falava Cavaco Silva, está bem patente nestes números, pois não reflectindo a realidade, nem pouco mais ou menos, conduz à conclusão referida “A desigualdade não cresceu nem diminuiu”, que também não é verdadeira, pois como se sabe, e foi também amplamente divulgado por toda a imprensa, foi nos altos cargos de direcção e gestão das empresas, que se verificaram os maiores aumentos salariais nos últimos anos.
Os portugueses merecem ser informados e não intoxicados com propaganda.

*** * ***
ASSÉDIO TABAGISTA

*** * ***

FOTOGRAFIA

Helge Rudschinat Grønli

Susie

*** * ***

CARTOON
Tab (Thomas Boldt)

8 comentários:

quintino disse...

Ou muito me engano ou a lógica, neste domínio, é uma batata do tamanho de sei lá o quê.
Eu, meu caro amigo, só sei que em Portugal os preços sobem de elevador e os salários vão pelas escadas. Quando vão...

Joca disse...

Hoje o post é uma atentado à ecologia e um ataque às estatísticas, complacentes com o governo.
Força neles.
Fui

Tiago R Cardoso disse...

1.140 euros líquidos mensais, para os mais bem pagos ?
Preponho um abaixo-assinado de solidariedade, com a fraca qualidade das calculadoras, desses pobres senhores que fazem as estatísticas, ou se calhar estão sempre atarefados a fazer contas que nem saem à rua e vêem a realidade.

Maria Faia disse...

Olá Amigo,

Deixei-te um miminho no Querubim Peregrino.

Beijo e Boa Semana

Meg disse...

Suibscrevo o que dizes, Zé. Totalmente.
Um abraço

J.G. disse...

Concordando com a conclusão do texto, penso que a notícia refere uma "média", e tu fizeste as contas tomando por base o menor vencimento.

Creio, portanto, que deveria tomar-se com ponto de partida a média dos vencimentos mais baixos. Tomaríamos, por exemplo,os dez mais baixos e igualmente os dez mais altos. Aí, tiraríamos a média de cada um desses leques.

Então, sim, poderíamos obter uma média dos mais baixos e verificar se, realmente, corespondiam a 1/3 da média dos mais altos.

No entanto, não acredito que se encontrem números condizentes com a notícia.
E daí, eu ter começado po dizer que conncordo com aconclusão do teu texto.

Propaganda enganosa? creio bem que poderemos afirmar que sim.

Abraço.

Cadeirão disse...

Subscrevo as palavras do quintino apenas acrescentando que sobem pelas escadas devagar, devagarinho e em marcha atrás.

Abraço

adrianeites disse...

sem dúvida que se abusa da estatistica.. os dados estatisticos devem ser analisados conjuntamente com outras informações e nunca como factores isolados.. muita gente continua ainda a não perceber isto!

cp's