domingo, agosto 19, 2007

AINDA MAIS NA CAUDA

Portugal já leva vários anos a divergir do resto da Europa, em crescimento económico, em nível de vida e na segurança social. Bem pode Teixeira dos Santos vir tecer louvores aos 1,6% de crescimento que os portugueses logo comparam com os 4% da vizinha Espanha, e tiram as devidas conclusões.
Podia ser feito melhor? Aí está uma questão para a qual muitos gostariam de fornecer resposta. Não é uma questão fácil, mas com toda a certeza não será beneficiando os lucros obtidos na banca, só para dar um exemplo, e ao mesmo tempo taxando os rendimentos do trabalho como acontece. O resultado desta estratégia está estampado nos relatórios do Eurostat, que dizem preto no branco, que o fosso salarial entre os mais ricos e os mais pobres no nosso país, bateu mais um recorde, situando-se duas vezes e meia acima da média europeia. Mas uma desgraça nunca vem só, pois acresce ainda o facto de Portugal ser o país europeu que menos investe na segurança social entre os seus parceiros.
Não haverá receitas milagrosas, mas a verdade é que os outros parceiros da União Europeia conseguem melhores resultados, independentemente do tamanho dos seus países ou do número de cidadãos. Será que por lá há magos?

*** * ***
FOTOGRAFIA
Levels by ~jermsie
On the Edge by ~chriswhiston

*** * ***

CARTOON

Marcel Kristofovic

Marcel Kristofovic

11 comentários:

Maria Faia disse...

Olá Amigo Zé Povinho,

Se há e/ou onde há magos não sei.
A única coisa que agora sei é que me encantou a música com que nos recebe. Anos 60?!...
Quanto ao assunto que nos traz a debate, uma das verdades parece-me clara: batemos tão fundo que a dificuldade de saída aumentou até quase ao impossível. Este é o resultado da obra dos nossos políticos que, em vez de governarem com vista em objectivos do colectivo futuro, criação de riqueza para maior e melhor redistribuição, governaram sempre em função dos votos dos eleitores deste país que, cada vez foi ficando mais pobre.

Um beijo de Bom Fim de Semana

Tiago R Cardoso disse...

À que ver a coisa noutra perspectiva,
somos os melhores em crescer menos, somos os que temos o maior fosso salarial entre os mais ricos e os mais pobres e somos o país europeu que menos investe na segurança social, estão a ver somos bons em alguma coisas.

Zé Povinho disse...

Ainda há outra maneira de olhar para os tais índices, que é fazendo o pino, e aí SOMOS SEMPRE OS PRIMEIROS.
Abraços do Zé

ANTONIO DELGADO disse...

Amigo Zé Povinho ver de pino é boa ideia mas ao não ser a nossa postura natural pode criar-nos muitas vertigens! há de facto um enorme abismo entre nos e a grande maioria dos nossos colegas europeus...mas não creio em magos. Há uma serie de circunstancias mentais que afectam o nosso modus vivendis e nunca foram equacionadas...ao ser um problema de mentalidades suponho que Portugal inteiro deveria ir ao psicanalista, para tranformar os ses reflexos condicionados.
Um abraço e bom domingo.

como sempre gostei muito das imagens.
António
António Delgado

João Rato disse...

Nesta coisa dos "pobres cada vez mais pobres","ricos cada vez mais ricos", de que lado está por exemplo o José Sócrates? Estará cada vez mais pobre ou cada vez mais rico? Era bom que se esclarecesse para que de uma vez por todas os "cada vez mais pobres" percebessem o calibre da nata que os governa!

Ena Pá! disse...

O grande problema é que o Zé só acorda quando lhe pisam a salsa do seu quintalinho.
O Zé é esperto e, por isso, quando as coisas lhe correm de feição(no seu quintalinho, obviamente!)diz, com ares de sóbrio chefe de família que, "a politica é para os políticos".
Ah grande Zé, hipotecaste o futuro dos teus filhos e nem deste por nada!
Não é deste Zé, aqui patente e desperto, que estou a falar, Obviamente.

Meg disse...

Magos não há concerteza, Zé.
Aqui não se trata de magia... não será a falta de qualidade e de visão política dos que nos governam.
Os de agora, os de antes. Há quanto tempo?
Um abraço

J.G. disse...

Quero crer que haverá, sim, gente colocada nos seus lugares mais por competência do que por ouras desconhecidas razões.

Um abraço.

Sophiamar disse...

Se há magos ou não ninguém sabe mas talvez tenhamos de ir à bruxa para desfazer o feitiço. É que nós, defeito ou feitio, não saimos da "cepa torta".
Melhores dias virão. Em que século?
Beijinhos

Zé Povinho disse...

Meus caros
~Como já afirmei algumas vezes, voto em branco há muitos anos por considerar que a política já está há muito subordinada aos grandes interesses económicos. Talvez alguns até entrem convencidos que irão mudar o mundo, mas rapidamente são engolidos pela máquina, que são os partidos e as suas clientelas e doadores. Tudo se tornou mais claro a partir da altura em que as ideologias cederam lugar ao chamado pragmatismo e tecnocracia.
Quando não há ideais a respeitar torna-se muito mais fácil encontrar as desculpas como "a conjuntura", a "macroeconomia", "as alianças que temos de mater", os compromissos com os parceiros", e muitas outras que todos conhecem.
O Zé pode cuidar apenas do seu quintalinho, mas preza a justiça e a igualdade de oportunidades, para nõ ir mais longe.
Será que sou um sonhador? Talvez, mas permitam-me desejar um mundo melhor para este pobre país.
Abraços do Zé.

Ena Pá! disse...

O Zé interiorizou que igualdade de oportunidades, é ele e os seus se safarem também.
" a Felgueiras tinha um saco azul?...E daí, se eu lá estivesse fazia o mesmo".
O exercício da cidadania nunca foi uma prioridade dos portugueses durante estes 33 anos. E por isso o futuro, que é hoje, está completamente hipotecado.
Voltei aqui porque acredito que és um sonhador. Mas é tempo de repensarmos esta nossa maneira de ser português.