sábado, agosto 04, 2007

AINDA A CULTURA

Recebi dois mails críticos sobre o artigo referente ao caso do afastamento da directora do Museu Nacional de Arte Antiga, a que decidi responder publicamente neste espaço.
No primeiro, pude constatar que o autor considera que “o simples facto de a directora contestar o modelo de gestão apontado pelo governo” é determinante para ditar a sua demissão ou a não renovação da comissão de serviço. Mais à frente salienta ainda que “o modelo que ela tanto criticou na praça pública” é o mesmo que lhe permitiu fazer “o trabalho que agora alguns elogiam”.
Pois bem, discordo das nomeações políticas que reduzem a avaliação do mérito apenas à obediência e não ao trabalho desenvolvido. Quanto ao tipo de gestão em vigor nos museus e nos monumentos, estão por provar as suas virtualidades bastando para tal visitá-los com assiduidade e reparar nas suas carências, deficiências e estado de conservação, para não ir mais longe.
O segundo leitor, alude à possibilidade de ser uma preferência minha, pessoal, já que o nome apontado é igualmente competente e o seu trabalho é patente no Museu do Azulejo. Também alude ao meu desconhecimento sobre a verdadeira autonomia de gestão dos directores de museu.
Quanto ao director nomeado não me vou pronunciar, porque não tenho por costume reduzir a minha opinião sobre os assuntos que comento, a pessoas, muito menos quando não as conheço pessoalmente, o que é o caso. Quanto ao Museu do Azulejo, que conheço muito bem, devo dizer-lhe que já conheceu melhores dias e maior dinâmica, facto que não atribuo à competência, ou falta dela, do director actual. Sobre a autonomia dos directores de museus, posso aconselhar este leitor a ler o Diário da República e consultar os diplomas referentes ao IMC, que foi o que eu fiz.
Sobre este caso gostava de acrescentar que os partidos políticos, que têm passado ao lado dos assuntos referentes ao Património e as suas instituições, se inteirassem e tornassem público o assunto da gestão do Palácio Nacional da Pena, que na lei orgânica do IMC lhe está afecto, mas que na realidade está já sob a alçada da sociedade anónima Parques de Sintra – Monte da Lua. Talvez por aqui se possa começar a entender alguma coisa desta imensa confusão que é o Ministério da Cultura.

Publicado aqui em Agosto de 2006 (hoje é mais caro)

*** * ***

FOTOGRAFIA É ARTE

Сергей Лавров

NikAlex(2)

*** * ***

CARTOON

4 comentários:

o guardião disse...

Cheguei ontem à noite e comecei pela fresquinha a ver o que havia aqui. Más notícias para a Cultura, pelo que li, e parece que não vai ficar por aqui...
Belas fotografias e o cartoon do nosso amigo Goraz, sempre em forma.
Cumps

Tiago R Cardoso disse...

Está totalmente errado, confusão na cultura ?
Quando estes srs. terminarem, permita-me usar a mesma frase que eu utilizei num comentário anterior, tudo vai tornar-se num mar-de-rosas. Infelizmente dá-se muito valor ao cartão de cada um, no meu caso, é só pelo cartão de contribuinte que me dão importância.

adrianeites disse...

grande goraz...

J.G. disse...

E assim se promove a cultura em Portugal...

Boas as imagens, como habitualmente!

um abraço.