segunda-feira, Julho 21, 2014

A DESINTOXICAR



As férias servem para as pessoas descansarem, para terem tempo para a família e para aliviar o corpo e a mente do stress a que somos sujeitos durante o tempo de trabalho.


Uns dias sem acesso às notícias, escritas, televisionadas, ou mesmo da rádio, fazem verdadeiros milagres à disponibilidade e ao humor de qualquer um.


Os livros, a máquina fotográfica, a rede e o tijolo de onde brota música escolhida, são os luxos a que me permito nestes dias, e esta pausa junto ao portátil é apenas uma provocação a quem por aqui passa e não está de férias. Não me levem a mal, mas aproveitem a ideia e adptem-na aos vossos gostos, e verão como vos faz bem…


««« - »»»
FOTOGRAFIA
By Palaciano

quinta-feira, Julho 17, 2014

A MÁ DISTRIBUIÇÃO DA RIQUEZA



Em Portugal não temos acesso a dados e a estudos sobre a má distribuição da riqueza gerada no país, e temos que nos limitar a consultar o que é divulgado por autores e investigadores estrangeiros.


Foi agora tornado público um estudo dum economista do BCE, Philip Vermeulen, que revela que um quarto da riqueza nacional está nas mãos de apenas 1% da população.


Não existe nenhum estudo destes conhecido, elaborado pelo INE, e os dados para o fazer também não são acessíveis a todos, mas o que ressalta deste trabalho é que o poder político não sabe ou não quer corrigir devidamente esta discrepância, agravando os impostos sobre os mais ricos.

Nota: O Zé vai de férias, o que deverá causar algumas irregularidades na postagem deste espaço.



terça-feira, Julho 15, 2014

IRONIAS DA VIDA

Há alguns meses conheci um caso de uma pessoa conhecida que, por causa de uma separação litigiosa, se viu impedido de conseguir pagar um empréstimo à habitação nos moldes em que este fora feito, e que teve de pedir uma renegociação do empréstimo. O banco que fizera o empréstimo era “o verdinho”, e as coisas correram mal, não sendo consentida uma alteração que na realidade permitisse o pagamento do mesmo noutras condições, mais favoráveis e realistas perante a diminuição de rendimentos do devedor.

Pouco tempo depois veio a execução da penhora e o executado ainda ficou com uma dívida 7 ou 8 mil euros, que fizeram com que parte do salário fosse retido para pagamento da dívida, o que acabou por originar uma hecatombe, pois outros compromissos foram afectados e tudo resultou na insolvência dessa pessoa.


O que é irónico é que o banco que esteve na origem do descalabro duma vida, pertencia então a uma família que agora pede protecção contra credores, como se alguma vez tivesse tido alguma preocupação real com a vida e os problemas dos seus clientes. Na realidade eu sei que quando devemos uns milhares de euros o problema é nosso, mas se a dívida for de muitos milhões de euros, então o problema passa a ser dos credores…  


domingo, Julho 13, 2014

sexta-feira, Julho 11, 2014

PORTUGAL ESTÁ CADA VEZ PIOR



Ao contrário do que diz Passos Coelho, Portugal e os portugueses estão cada vez pior, depois destes últimos 3 anos de governação PSD/CDS.

Como não gosto de falar apenas por falar, reproduzo apenas 3 títulos que estão na imprensa de hoje, que mostram bem que as coisas vão mesmo muito mal.

Começo com o título “Portugal registou taxa de natalidade mais baixa da UE em 2013”, que aliada ao facto de não estarmos em guerra, nem a atravessar nenhuma praga ao nível de saúde, é um claro indicador de que os portugueses não descortinam nada de bom para os próximos anos.

O segundo título esclarecedor é “dívidas: famílias têm vergonha e medo de pedir ajuda ou ir para tribunal”, que demonstra que apesar de se terem atingido números de incumprimento mais elevados de sempre, no passado mês de Maio, a esperança dos portugueses esfumou-se.

O terceiro será “propostas para Reforma da Fiscalidade Verde «são brincadeira pegada», diz ACP”, que como todos nós apenas vê nesta “pseudorreforma”, um aumento de impostos descarado, e uma ameaça eminente para a manutenção do crescimento do turismo.

Não pensei em ser aborrecido desfiando outros títulos da actualidade, mesmo havendo muitos mais, tão ou mais elucidativos…