sábado, janeiro 21, 2017

quinta-feira, janeiro 19, 2017

terça-feira, janeiro 17, 2017

PORQUE SINGRAM OS POPULISTAS?

Há quem faça esta pergunta, e há os que se admiram por aparecer cada vez mais gente a querer acabar com o “sistema”.

As perguntas só podem vir de quem tem boa situação económica, quem está mal informado, ou de quem faz parte do “sistema”.

As respostas estão na constatação de factos tão evidentes como, “apenas 1% dos mais ricos detinham em 2015 mais riqueza que o resto do planeta”, ou “oito pessoas têm agora tanta riqueza como a metade mais pobre da população mundial”.

Quem pode recriminar os que decidem apoiar quem diz querer mudar o “sistema” e embrulha isso com promessas tentadoras?


Os partidos que têm partilhado o governo parece não terem percebido que falharam sempre na sua tarefa primordial que é a de saber repartir a riqueza criada por via da carga fiscal, evitando assim o que é cada vez mais indecente e insustentável , que são as assimetrias cada vez mais mais gritantes.


domingo, janeiro 15, 2017

UM GRANDE PERIGO

Estes são olhares de humoristas russos sobre um americano que pode vir a tornar-se um perigo para toda a humanidade. Fulanos destes deviam ser proibidos de se candidatar a lugares à frente de nações.

1

sexta-feira, janeiro 13, 2017

CULTURA - PATRIMÓNIO NO SOFÁ

A área do Património tem sido notícia nestes últimos dias, porque o bom ano turístico se saldou num aumento de visitas, o que era mais do que previsível. Outro motivo para saltar para a ribalta da actualidade terá sido o lançamento do programa Revive, que encalhou logo no caso do Forte de Peniche, e lançou logo inúmeras discussões sobre a sua “bondade”, porque se desconhecem os planos de exploração dos imóveis a concessionar e todo o processo de revitalização, que evidentemente irá variar de uns para os outros.

Já se percebeu que o Estado não tem capacidade para cuidar de todos os edifícios classificados que estão ainda na esfera pública, mas pela primeira vez vejo tal ser reconhecido por um alto dirigente, neste caso a própria directora-geral da DGPC, que não se eximiu a dizer que “nem sempre o Estado terá prevenido da melhor forma a sua conservação, e até mesmo a sua ruína em alguns casos.”


Chegados aqui esperemos que a DGPC se concentre mais na manutenção e recuperação do Património a seu cargo, criando condições para tornar mais agradáveis e atractivos os muitos equipamentos abertos ao público, porque há muito caminho a ser percorrido nessa matéria.